Month: July 2015

Embroidery and connections

Embroidering in the wild, or the joys of being on vacation. #airembroideryclub

Ler em português
One of the most amazing things I have found in these almost two years of running the air Embroidery Club is the connections created with wonderful people around the world. Through the Club I have met and made new friendships with people I would probably never meet otherwise.

Take my friend Holly, for instance. She became a member pretty early on and has been a part of this journey for a long time. Holly comes from the other side of the Atlantic, from Virginia. She’s a textile artist and entrepreneur who has run a brick and mortar art supplies shop. (Let me tell you, I have drilled Holly with questions about running a shop!)

Holly has shared with me that she loves connecting with others in the air Embroidery Club, too. Embroidery is a very meditative and solitary past time, unless it is in the context of a group. And the Club is exactly that: a small group of like minded people who connect on our facebook group, sharing questions and answers as well as other resources, while having an ongoing common project.

Each month, a fresh template lands in members’ inboxes. Along with the design, based on one of my sketches, illustrations or patterns, come simple, clear instructions each member may customize to make each project unique. A few stitches can be added here and there, in those few minutes between chores, or waiting for the bus. When stitching, even if the world is busy outside, everything appears to slow down in our own world. Holly, for instance, tells me she enjoys the simple stitches, and finds them soothing. I agree. I think that backstitch, a clever and simple stitch, is like an express lane to “meditation land”.

Many years ago, in the first design and illustration studio I worked in, my boss had a copy of a lovely illustration of a person reclining against the trunk of a large, leafy tree. It was accompanied by a caption I never forgot: “slowing down is the single, most effective way to save the planet”. And the air Embroidery Club is my invitation to you to come slow down with us and save our planet, one stitch at a time.

(And, guess what! Today is World Embroidery Day! You can read the manifesto here. My favorite bit? “Make 30th July a day filled with creativity for the sake of Peace, Freedom and Equality.” Yes to that!)

*
Obrigada à revista Prevenir por mencionar o Clube de Bordado na sua secção "este mês aprenda". Estou muito contente!
(Estou muito contente! O Clube de Bordado aparece na revista Prevenir do mês de Agosto! Se não compram ainda a revista, procurem-na no vosso quiosque. A página dos exercícios é ilustrada por mim!)

Nestes quase dois anos de Clube de Bordado air (dois anos, já?), a minha vida foi enriquecida com várias novas amizades, amizades com pessoas que, de outra forma, provavelmente nunca teria conhecido.

A minha amiga Holly, por exemplo: conhecemo-nos quando aderiu ao Clube de Bordado, penso que logo no início. Tem sido uma presença constante no nosso Clube e, com o passar do tempo, tornámo-nos amigas. A Holly vive do outro lado do Atlântico, no estado da Virgínia, nos Estados Unidos. É artista têxtil e empreendedora, e geriu durante muitos anos uma loja de materiais de arte. (Deixem-me que vos confesse que ela tem muita paciência para todas as perguntas que lhe fiz sobre esse tema!)

Também a Holly me confidenciou que adora conhecer pessoas novas através do Clube de Bordado. Segundo ela, bordar é uma actividade meditativa e solitária, a menos que seja num contexto de grupo. E o Clube é exactamente isso: um grupo de pessoas que adoram fazer coisas com as suas mãos e que se juntam no facebook para trocar experiências, ao mesmo tempo que fazem projectos comuns.

No dia 1 de cada mês, os membros recebem no seu email uma receita de bordado nova. Para além do desenho, baseado numa das minhas ilustrações, a receita inclui instruções passo a passo, bem como sugestões de materiais e de cores a usar, que cada membro pode alterar conforme o seu gosto. Com uns pontos aqui e outros ali, entre tarefas e recados do dia-a-dia, o projecto vai crescendo nas nossas mãos, enquanto o mundo lá fora parece abrandar o seu ritmo. A Holly, por exemplo, diz-me que do que mais gosta é dos pontos mais simples, pois a repetição é muito calmante. E eu concordo: o ponto atrás, tão simples, é uma auto-estrada para um estado de espírito mais tranquilo.

Há muitos anos atrás, no primeiro atelier em que trabalhei, a minha chefe tinha a reprodução de uma ilustração em que estava uma pessoa encostada a um tronco de uma grande árvore. Nunca mais me esqueci da legenda, que dizia algo como “abrandar deve ser a estratégia mais eficaz para salvarmos o planeta.” E o Clube de Bordado air é o meu convite para virem salvar o planeta connosco, ponto a ponto.

(E, acreditem ou não, hoje é Dia Mundial do Bordado! Leiam o manifesto aqui. A minha parte favorita é: “Make 30th July a day filled with creativity for the sake of Peace, Freedom and Equality.” Vivaaaa!)

You think embroidery isn’t for you

Testing #embroidery stitches for August's #airembroideryclub project. My first time embroidering a #castle!

Ler em português

I thought that, too. Maybe you had a similar experience to mine: when I was a kid in school, I had so many cross stitch projects in one year I cannot even tell you how much I grew to despise it. I don’t know what it was at the time: maybe the curriculum was very cross stitch intensive? Maybe the designs were uninteresting? Or maybe it was just my age at the time?

Then, many years later, as an adult, I started embroidering my own designs. I started with hand lettering I embroidered free hand, using back stitch, which was the stitch I thought (and still think) best emulates on fabric the line a pen makes on paper. (I made several baby blankets I sold under my abbrigate* brand.)

I tried to stay away, as much as possible, from what I remembered to have been a bad cross stitch experience, with old-fashioned designs. I created mine, either directly while embroidering, or roughly on paper, before I stitched them. Suddenly embroidery became a great medium for me, one that takes time and allows me, because of its slow speed, to be guided by the movement itself.

I don’t know about you, but I like the time an embroidery takes to be completed, which is also the time it allows me to think, to change course, to make creative decisions whether or not to go this or that way. Embroidery allows me the time to think about other stuff too, maybe about issues I’m having in my life, or maybe just remember a vivid dream that quickly was forgotten.

Through embroidery I’m able to be in contact with myself, to carve out a little space where nothing else matters. And maybe in real life it’s no longer than ten minutes, but to me, while I’m stitching, it feels like hours of pure, relaxed pleasure.

Maybe my next challenge is to incorporate cross stitch into this new embroidery chapter of my life, and make it as fun and expressive as all the other stitches I use and love.

How about you? Do you have any activities you were forced to do back in school? How do you deal with them now?

If you’re like me and feel like turning a new page in the book of your embroidery life, join us at the air Embroidery Club. Prices will increase on September 1st, 2015, so do join our lovely community today at the current price.

*

Pensa que o bordado não é para si? Eu também pensava isso. Talvez tenha tido uma experiência semelhante à minha: quando andava na escola, em miúda, tive de bordar tantos projectos em ponto cruz que simplesmente passei a detestá-lo com todas as forças. Não que o ponto em si fosse feio. Mas… não sei, terá sido a quantidade de ponto cruz que tivemos de fazer? Ou os desenhos antiquados que acabei por bordar? Ou seria só a minha idade?

Muitos anos mais tarde, já adulta, tudo mudou. Comecei a bordar os meus próprios desenhos, primeiro letras manuscritas, bordadas à mão levantada sobre tecidos que me interessavam mais. Com o ponto atrás, aquele que ainda hoje considero melhor reproduzir no tecido a linha da caneta no papel, bordei várias mantas para bebés, com tecidos muito variados, que vendi através da minha marca abbrigate*.

Tentei manter-me afastada daquilo que me lembro ter sido uma experiência desgastante com o ponto cruz e os seus habituais desenhos antiquados. Para isso, criei os meus próprios motivos, às vezes directamente no tecido, outras vezes com alguns esboços por alto no papel. E assim, sem mais nem para quê, o bordado tornou-se numa forma de expressão de que muito gosto, pois pela sua velocidade de execução – baixa! – permite-me pensar, reflectir, ir tomando decisões criativas sobre a direcção que quero dar ao projecto. Por vezes quase sinto que a agulha tem vontade própria e comanda a linha.

Gosto desse aspecto que o bordado tem: o tempo que demora é tempo que tenho para mim, para contactar com o meu íntimo, para pensar no que quero fazer, para onde quero ir. Cada ponto é quase como um momento em que o tempo pára. Tenho a oportunidade de reflectir sobre o projecto em mãos, sobre a vida em geral, lembrar-me daquele sonho tão límpido que tive e que imediatamente esqueci.

Com o bordado, e por causa do bordado, consigo criar pequenos momentos só para mim, momentos em que me concentro exclusivamente no trabalho em mãos e em que parece que o mundo à minha volta desaparece. Talvez não sejam mais que dez minutos, na vida real, mas eu sinto-os como pequenas eternidades de alheamento feliz.

Suponho que um desafio próximo, para mim, poderá ser incorporar o ponto cruz nos meus projectos actuais, um pouco para ver se a minha aversão é ao ponto em si, se a tudo o que, na minha fantasia, vem agarrado a ele.

E o caríssimo leitor, ou caríssima leitora? Tem alguma actividade no seu passado que a deixou inoculada para todo o sempre? Tenciona mudar a sua relação com a dita actividade?

Se, tal como eu, tiver vontade de abrir uma nova página no livro bordado da sua vida, junte-se ao Clube de Bordado air. Para além de passar a receber uma receita de bordado por mês (há quem lhe chame “poção para relaxamento imediato”!), terá também acesso a um grupo muito fofo que adora bordar e tudo o que tenha que ver com têxteis. A partir de 1 de Setembro de 2015, os preços para aderir ao Clube vão aumentar, pelo que não perca a oportunidade de o fazer até lá pelo preço actual.

You’ve been waiting too long

Ler em português
You’ve been waiting to start making things for too long.

I know I have.

After a while, I start to feel the itch to make again. Maybe it happens because I look at some supplies (hello pastel crayons, it’s been way too long!), or see a picture of yummy knitting yarn on my instagram feed. Sometimes I pass by my local yarn shop and marvel at the colors. Sometimes I go by my favorite street and see the shop windows and imagine all the embroidery floss inside, waiting for me. The need to make something with my hands starts creeping in, like weed through the cracks on a wall of to-dos.

But then life happens, and I’m in a hurry to get to the studio, or to get home to be with my baby, and suddenly days go by and I haven’t started anything, I haven’t felt the satisfaction of seeing a project grow between my hands.

When I feel that pang of frustration, I know it’s time to do something about it.

When rushing from one place to the other, I try to envision what it is that I want to try my hand at. Do I want to start sewing? Do I need to get back to my paints and canvas? Do I need something small and portable? Something I can take with me anywhere? Something that does not need a lot of logistics?

That’s my first step: to find out what I want to make. Believe it or not, it’s a big part of the project.

When I set my mind on the project I want to pursue, I use my commute to mentally gather the supplies. What do I need to get? What do I already have? How am I going to solve this problem? Or that other one?

And when I finally have those ten minutes while the baby plays by herself, I can execute. I know what I want to make, I know the supplies I need, and that means I can roll my sleeves up and get elbow deep into my project.

And it’s amazing how ten (very fast) minutes can give me a sense of accomplishment and happiness, just because I took a step – be it a tiny one, or a large one – towards making. And making? It makes me happy.

How about you?

(Hey, just a reminder that the price for the air Embroidery Club will go up on September 1st. To join our lovely, friendly, supportive community of makers at the current price, do so today! We can’t wait to have you there. And you know what? Embroidery is a great way to take your “making” with you wherever you go!)

*

Há demasiado tempo que quer começar algo novo. Não há?

No meu caso, sim: há demasiado tempo que quero encetar um novo projecto; e tão pouco tempo para tudo o que quero fazer.

Há momentos da vida em que os dias passam a correr e nós, presos a todas as obrigações, andamos de um lado para o outro, numa correria, sem nos permitirmos pensar duas vezes sobre o assunto. Mas a vontade de fazer, em mim, manifesta-se de forma sorrateira. Começo a sentir a aparecer a vontade de fazer, como se de um pedacinho de erva, entalado entre duas grande pedras, se tratasse. Vejo as cores dos meus pastéis secos, guardados no armário; vejo um novelo lindo de lã no instagram; toco num tecido, ou sinto o relevo de um bordado na polpa dos meus dedos. Há dias em que passo na minha rua favorita e penso na paleta de cores de fio de bordar lá dentro das retrosarias, à minha espera. E sinto essa vontade de fazer.

Mas como fazer esse fazer acontecer? Os dias passam-se entre casa, bebé, atelier. Sem que eu dê conta já é fim do dia, outra vez, hora de jantar, banho e cama. Passa num instante. E de repente passou demasiado tempo desde que senti a satisfação de completar um projecto meu, feito por mim, com as minhas mãos.

Quando sinto essa frustração, sei que é o momento certo para avançar.

Começo por aproveitar aqueles momentos em que espero o autocarro para voltar a casa, ou vou a caminho de uma reunião, para pensar no projecto que quero encetar. Que quero experimentar desta vez? Quero brincar com os meus pastéis secos? Ou tricotar uma gola? Será que é das minhas tintas e pincéis que tenho saudades? Ou quero bordar um tecido? Quero algo que requeira alguma logística? Ou algo portátil, que venha comigo para todo o lado?

Esse é o meu primeiro passo, e por incrível que possa parecer, é quase metade de todo o projecto.

Quando decido qual o caminho, uso os pedaços de tempo para reunir mentalmente os materiais que preciso: quais já tenho? Quais preciso comprar? Onde os encontrar?

E chegado o dia em que tenho aqueles breves dez minutos enquanto a bebé brinca sozinha… nesse momento eu posso, simplesmente, arregaçar as mangas e pôr mãos à obra. Porque já sei o que quero fazer, já reuni os materiais, todos os preparativos estão feitos para, simplesmente, pôr mãos à obra.

É incrível quão rápido passam esses dez minutos e, ao mesmo tempo, a sensação de satisfação que tenho por os ter aproveitado bem, a ser feliz. Porque eu sou feliz a fazer coisas com as minhas mãos, e todos os passos, por pequenos que sejam, me aproximam dessa meta. Podem ter sido só dez minutos, mas valeram por mais, pela alegria que me trouxeram.

Passo a palavra ao caríssimo, ou caríssima, leitor. Que o faz feliz? E que passos dá para ser feliz?

(Antes de me despedir esta semana, quero só recordar que o preço para aderir ao nosso Clube de Bordado air vai subir no dia 1 de Setembro de 2015. Inscreva-se hoje mesmo para se juntar à nossa comunidade de gente amiga pelo valor actual. E sabe que mais? Os projectos bordados são óptimos para levar de um lado para o outro e satisfazer o “bichinho” do fazer em qualquer lugar e a qualquer momento!)

It’s been too long

On the blog: a post about time, energy and fear. Hope you like it. #embroidery #embroideryisforeveryone #airembroideryclub
Ler em português

It’s been too long since you’ve made time for yourself. It’s been too long since you’ve made time to start a creative project.

You may ask how I know this? Well, I do. We (women, mothers, daughters, sisters, caretakers) have a tendency to cater for everyone’s needs before our own. What is it with that?

I know how it is about myself: I have that large, never ending to do list. I have lots of little items that take up only a few minutes, only together they suck hours out of my time. When I finally finish – or declare it “finished for the day” – I’m tired. And then, thinking about myself, about a project for me, seems like too time- and energy-consuming. I feel, to be honest, that I don’t have the energy to start something new.

But looking deep down inside, I understand that what I feel is fear, fear of not being creative enough, fear of challenging myself and realizing I’m failing.

So I postpone starting a new creative project, for fear of not being talented enough. I hide that challenge behind all the shoulds of my day, behind all those smaller tasks that are really important, but not more important than to make time to create. (That’s why deadlines are so useful to most of us, myself included: pressed against them, we have no option but to act.)

Where did the mere notion of play go? I want that back!

I am, despite my fear, taking a few steps in that direction. I have created an item on my daily schedule called “make time for art”. In that item I include sketching, painting, designing repeat patterns, embroidery. I include experimenting with new art supplies. I try not to be too conscious about it, what I will do with it, or if it is any good. (And let me tell you, that exercise of not thinking too much about if it is good or not? That’s a work in progress.)

I’m far from having a lot of free time in my hands but the little free time I do have, I want to be able to enjoy myself and make things. I like creating things with my hands, trying new knitting yarns and techniques, learning a new embroidery stitch.

Do you know that feeling when you’re in an airplane and it is taking off? You feel it needs a lot of power to beat gravity and get airborne. But then, once it is in the air, it feels almost effortless, doesn’t it? It’s exactly like that for me: it’s hard for me to make time to start something new, but once I am in the middle of it, I feel “in the zone”. I feel so in tune with my hands, my mind focused on that, my inner critic busy somewhere else. It’s so gratifying.

The air Embroidery Club is my tool to counteract my natural tendency to postpone starting something new, as it helps me narrow down the answer to the question “what will I start today?” I love creating these designs for you, as I try to put myself in your shoes and imagine your surroundings and listen to the sounds you are hearing as you embroider. I try to imagine what you will be thinking when you stitch that flower, or what podcast you are listening to when you weave in the end of the floss.

I think that the embroidery patterns members receive in their inboxes are wonderful prompts to help us get back to play. Which, if we think about it, is a great way to enjoy ourselves.

(Hey, a quick heads up: the air Embroidery Club will have a price increase in September 1st, 2015. Join today at our current rate and access our lovely, supportive community!)

 

*

Já há muito tempo que não tira um tempo para si, não é verdade, caríssimo leitor? E mais tempo ainda desde que começou um projecto criativo.

Talvez se pergunte como é que eu sei isto? Pois. É que nós, mulheres, mães, filhas, irmãs, cuidadoras, temos uma tendência para cuidar das necessidades de todos os outros antes das nossas. O que é que se passa com isso?!

Eu sei como é no meu caso: tenho aquela lista de afazeres, longa, interminável. Tenho montes de pequeninas coisas, que só levam uns minutinhos!, mas que todas juntas esgotam horas do meu dia. E quando finalmente termino de riscar todos os pontos, ou declaro a lista terminada de momento, estou exausta. E nesse ponto, pensar em fazer algo para mim, por mim, parece demasiado exigente, não só em termos de tempo (“não tenho tempo suficiente!”) como também em termos de energia (“estou exausta!”).

Aparentemente, é a falta de tempo e de energia que me impede de começar um projecto novo, um quadro, um bordado. Na realidade, a verdade é outra: é ter medo, bem lá no fundo, de descobrir que afinal não tenho assim tanto jeito e que vou falhar.

E assim adio mais uma vez começar aquele projecto que tinha, por medo absoluto de descobrir que não tenho talento para isso, e que não vai correr bem, não vai ficar como eu imagino. Escondo-me atrás de todos os “deveres” do dia, de todas as pequenas grandes tarefas, de coisas que até são importantes, mas que ali me ocupam para não enfrentar face a face o tal medo. (é por isso que os prazos são tão importantes e úteis para muitas pessoas, eu incluída: à medida que se aproximam, temos cada vez menos tempo para ouvir essa vozinha venenosa dentro das nossas cabeças e mais rapidamente passamos à acção.)

E é por isso que hoje eu pergunto: onde foi parar aquela ideia de fazer um desenho para nos divertirmos? Porque é que criar se transformou numa tortura, em vez de ser um “brincar ao faz de conta”?

Apesar do meu medo, tento todos os dias dar pequenos passos em direcção à arte-diversão (artiversão?). Na minha agenda diária, criei um ponto que diz: “fazer tempo para a arte”. Nesse ponto incluo tudo o que seja pintar, desenhar, fazer esboços, brincar com canetas de feltro, experimentar um novo material, desenhar padrões, bordar. Tento não pensar demasiado sobre a “qualidade” ou o potencial que tem o que estou a fazer, e simplesmente divertir-me enquanto o faço. (Deixem-me que vos diga: não é nada fácil!)

Estou longe de ter imenso tempo livre, mas o pouco que tenho quero poder ocupá-lo a fazer coisas que me dão prazer. Entre elas está fazer coisas com as minhas mãos, aprender novas técnicas de tricot, por exemplo, ou combinar cores e pontos no meu bordado.

Sabem aquela sensação de quando estamos num avião que vai descolar e usa toda a força dos seus motores para lutar contra a gravidade? E depois, uma vez que está no ar, quase parece flutuar sem esforço? É exactamente assim que a coisa se processa para mim: custa-me começar um projecto novo, montar o cavalete e abrir as tintas, ir buscar o bastidor de bordado e pensar nas cores que vou usar. Mas uma vez que comecei, tenho aquela sensação de estar ali, presente, focada, a flutuar sem esforço naquela actividade. É tão gratificante.

O Clube de Bordado air é a minha estratégia para combater a minha tendência natural de adiar o começo de algo novo, pois ajuda-me a responder à pergunta: “o que é que vou começar hoje?” (uf, só de pensar em todas as opções já fico cansada…). Adoro criar cada uma das receitas para os membros, enquanto imagino onde cada um borda, o que ouve e vê à sua volta. Gosto de imaginar no que estarão a pensar enquanto bordam aquela figura, ou rematam a ponta do fio.

Para além disso, penso que as receitas de bordado que os membros recebem funcionam como um convite para iniciar algo novo, sem a dificuldade de decidir o quê. São um passaporte para aquele país em que estamos completamente focados e a desfrutar o que estamos a fazer. Pensando bem, é uma óptima forma de passar o pouco tempo livre que temos.

(Rapidamente, e antes de me despedir, queria só lembrar que os preços para aderir ao Clube de Bordado vão subir a partir do dia 1 de Setembro de 2015. Até lá, junte-se ao nosso grupo, cheio de gente simpática, gentil e prestável, ao preço actual.)

Wait, what?

Meanwhile, in the #hongkong harbor... #rrgoeast

Walking the walk in #Dubai #dxb #rrgoeast

Other times, summer looks like this. (The yoga retreat we attended last weekend.) #perfectblue #portugal #p3top

July's project for the #airembroideryclub is now ready, yay! Soon will be landing on members' inboxes. To join, visit https://www.airdesignstudio.com/embroidery-club/ #embroideryisforeveryone #embroidery #dscolor #dstexture

Ler em português
It’s July already! What happened to the first half of 2015?

When I think that, I try to look back and see what I have done in the first six months. I remember talking about this with a friend, back when I lived in Argentina, about how time passes so quickly while we are immersed in our daily routine. To counteract that, what we have to do is to create lots of activities and special events to make time appear to slow down.

And so I look back and think: we did have a wonderful time in the first six months of the year. Our baby became one; she went from being fed to being an autonomous young lady who wants to eat by her own means. We traveled to Asia with her, and revisited the city where I lived as a teenager. I embroidered many projects, many of them for the air Embroidery Club, some of them for a personal project I’m working on. And, among other things, we ran a crazy successful fundraiser in memory of our son Daniel in the last month (thank you all for your help).

That’s a lot for the first six months of the year.

Looking ahead on the new semester, I’m working on improving the air Embroidery Club and relaunching it in the Fall. I want to reach more people and make it a better community for everyone. So I would like to ask you, dear reader, what would you like to have in the Club for you to join us? Please leave a comment or send me an email.

But right now all I can think about is the summer. You too?

*

Nem acredito que já estamos em Julho! Pensar que a primeira metade do ano já passou…!

Quando o tempo parece passar rápido demais, gosto de olhar para trás e ver todas as coisas que fiz. Lembro-me de ter esta conversa com uma amiga, que me recomendava criar oportunidades de sair da rotina, como forma de contrariar esta sensação de tempo que se nos escapa.

Quando olho para trás, vejo que nos últimos seis meses a nossa boneca deixou de ser uma bebé e se transformou numa menina; de precisar de ser alimentada passou a ser uma senhora autónoma, que quer comer com as suas próprias mãos. Viajámos pela Ásia com ela, e visitámos a cidade onde passei a minha adolescência (e que bom foi!). Bordei muitos projectos, alguns para o Clube de Bordado air, outros não. E no último mês, entre outras coisas, promovemos uma campanha de angariação de fundos em memória do nosso bebé que foi um êxito estrondoso (obrigada, obrigada a todos!).

É bom ver as coisas desta perspectiva! O ano parece mais preenchido, mais rico.

Olhando para o futuro próximo, estou a trabalhar intensamente para melhorar o Clube de Bordado air e fazer o seu relançamento no Outono. Para isso preciso da vossa ajuda, queridos leitores: que gostariam que o Clube tivesse para aderirem? Por favor deixem um comentário ou mandem-me um email.

Mas de momento, sou honesta, já só consigo pensar no Verão… e vocês?

Go get all the freebies I prepared for you. Join our community and get access to them. Adira à nossa comunidade e aceda a todos os conteúdos gratuitos para assinantes!