Category: Lisboa

Peace

Getting into the holiday mood. Happy December, everyone! #lisboa #lisbon

"Peace" - it's the first of the month, so there's a new #embroidery in #airembroideryclub members' inboxes. After these few crazy months, and in this holiday season, I wanted to turn the noise down and retreat. I was surprised to see that I went for just

Ler em português

…and so 2016 has come to an end. We are now less than two weeks away from 2017, and I have to say this year has officially flown by me. Just yesterday it was Easter break, and we were in Florence climbing the Duomo stairs, and now it’s Winter again.

This was a good, busy year. Work has kept me elsewhere (you can follow me on Instagram, where I still post regularly), entertained with many new challenges, but some things remain the same: my knitting, my embroidery, my beautiful city of Lisbon.

This was the year I launched my podcast with my friend Eliana about female entrepreneurship, Anita no Trabalho. We’re very proud of it.

I started working at two new places; after the adjustment period, I’m now loving the different challenges they bring around. Through these two projects, I have met many new people, some of them I now call friends.

I’ve been dragging my feet on releasing my first (well, second) knitwear design pattern – insecurity, mostly. It will be coming in January, I’m promising myself, because no one is more let down when I procrastinate on sharing my creative projects with the world than myself. So. There. Now I said it.

In the meantime, I wish you all happy holidays. This year I’m very much delighted by the coincidence of the first night of Hanukkah and Christmas. And to everyone, even those not celebrating, I wish much peace, love and embroidery (or knitting).

See you in 2017! (or sooner on Instagram)

*

E eis que sem saber ler nem escrever chegamos ao fim do ano de 2016. Este ano voou. Ainda ontem estávamos a subir as escadas do Duomo, em Florença, nas férias da Páscoa. E agora já é inverno outra vez.

Este foi um ano bom, muito ocupado. Tenho estado muito entretida com projectos de trabalho longe do blog (podem seguir-me no Instagram, onde vou partilhando imagens com mais frequência), novos desafios, mas há coisas que continuam sempre iguais: o tricot, o bordado, a minha querida cidade de Lisboa.

2016 foi o ano em que a minha querida Eliana e eu lançámos o podcast Anita no Trabalho, um podcast em português sobre empreendedorismo no feminino. Penso que falo por ambas quando digo que temos muito orgulho neste projecto.

Comecei a trabalhar em dois lugares diferentes, e após um período de adaptação, estou a adorar os novos desafios. Através destes dois projectos, conheci várias pessoas novas, algumas das quais hoje já considero amigas.

Tenho estado a adiar o lançamento da minha primeira (vá, segunda) receita de tricot. É do meu casaco cinzento que já usei tantas e tantas vezes (aliás, tenho vestido neste preciso momento. Sempre que se trata de um projecto criativo meu, tenho tendência a arrastar os pés… insegurança, claro. Mas vou aqui e agora fazer um pacto comigo mesmo: sai em Janeiro de 2017!

E por agora desejo a todos Boas Festas! Este ano, a primeira noite do Hanukkah calha precisamente na véspera de Natal. De alguma forma, esta coincidência faz-me sentir mais próxima de quem celebra coisas diferentes das minhas, e faz-me acreditar que a paz e a convivência em harmonia são possíveis (não há a menor relação causa-efeito entre a coincidência e a paz no mundo, mas deixem-me sonhar à vontade). A todos vocês, quer celebrem uma festa este fim-de-semana, ou não, desejo paz, amor e muito bordado (e tricot).

Até 2017! (ou mais cedo, no Instagram)

November at the air Embroidery Club

ec-novembro-stop-motion

Ler em português
The last few weeks have been busy, busy. I took on two new jobs: one, teaching knitting in Companhia das Agulhas, here in Lisbon (I also have my knitting workshops in the studio – check the new dates for this season); and the other, as a documentation specialist in a software company.

I’ve been incredibly busy, but also happy to feel that my skills are being challenged in different ways. On the one hand, I’ve been learning a lot about how to talk about knitting. It’s much easier to teach by showing than by talking about it, and yet there is so much that needs to be transmitted to the person who is learning that it is, indeed, necessary to find a way to talk about it. I feel that I have learned a lot about talking about knitting in a way that is easier to understand to a beginner – and this, of course, is thanks to my students, who have posed the most interesting questions, showing me the way to become a better teacher.

My other new job as a documentation specialist is very much a job as a “translator”, in the sense that I try to convert a mostly tech language into a more broadly understood language. It’s been fun, and challenging, and eye-opening, too.

November was also the month we had the Web Summit happen here in Lisbon, for the first time. It was amazing, stimulating, a wonderful learning opportunity. Eliana and I compiled our thoughts in the latest Anita no Trabalho podcast episode (in Portuguese only, sorry!)

In the meantime, November is here, almost gone, and today I was finally able to put together a fun stop motion animation of this month’s air Embroidery Club project. Hope you like it!

(Even if my posts and emails have been erratic, I keep posting updates to Instagram, if you’d like to connect.)

Hugs and happy Thanksgiving, if you celebrate!

*

Estas últimas semanas têm passado a correr. Esta ilusão do tempo que foge é precipitada por uma causa: ter começado a trabalhar em dois novos projectos. Um, como formadora de tricot na Companhia das Agulhas, perto da Gulbenkian (paralelamente aos meus workshops de tricot aqui no atelier, cuja página foi actualizada com novas datas). Sinto que tenho aprendido todo um mundo sobre como falar e ensinar a tricotar. Isto, porque sobre tricot é mais fácil demonstrar do que teorizar – e no entanto, para quem aprende, é necessário estabelecer uma estrutura, ainda que pequena, de conhecimento teórico sobre malha.

O outro projecto a que me dediquei é um novo desafio para mim. Estou a trabalhar numa empresa de software como especialista de documentação, que é uma forma de dizer que compilo e transformo a documentação técnica em documentação compreensível por todos. Tem sido uma experiência muito boa.

Em Novembro, tivemos também aqui a Web Summit em Lisboa. A Eliana e eu trocámos as nossas impressões num episódio especial do nosso podcast Anita no Trabalho.

E hoje finalmente consegui preparar um vídeo do making of do bordado de Novembro do Clube de Bordado air. Espero que gostem!

(É verdade que os meus posts e emails têm sido raros – mas continuo a partilhar imagens no Instagram, se quiserem acompanhar!)

Até breve!

The “Lisbon Series”, a series of embroideries at the air Embroidery Club

Just now, in my neighborhood. #Lisbon #lisboa

Necessity is the mother of invention: I couldn't see through this fabric so this is what I came up with. Not the most convenient #embroidery choice but it appears to be working! #airembroideryclub #airembroideryecourse

This is what my #embroidery project for the #airembroideryclub looks like after stitching for a while. It's weird, but appears to be working.

Ler em português

Who knew (I didn’t) that these sketches I’ve been filling my sketchbook with would become a series? I didn’t see it coming, but I’m glad I noticed a trend in my embroidery projects and decided to act on it.

Last January at the air Embroidery Club we stitched a sketch I made (and adapted for embroidery) just outside my studio. It’s not a fancy monument, or one of our beautiful city’s ex-libris. Quite the contrary: it’s a simple, everyday life scene, one depicting what makes living here such a pleasure. It was made right outside of my studio: we have a little square with a garden, two kiosks (I know, we’re spoiled!) with a few tables and chairs for people to have their “bica” (espresso) and read the paper. Read more

From sketch to embroidery: the process

Ler em português
Earlier today, #asketchaday in #Lisboa

If there’s something I like seeing in an artist’s work is the behind the scenes process. I love seeing the making of a finished piece, because it not only adds layers of meaning to a finished piece, it also unveils the steps, the doubts, the leaps, from inception to finished object.

And because I love seeing the steps, I also share the steps behind my own projects. And here, today, you can see how a sketch I made will become March’s embroidery at the air Embroidery Club.

When I start thinking about a suitable design for the air Embroidery Club, I look for a story that can be told in a small area, that of the embroidery hoop. Not all sketches are suitable, as some of them tell only a small part of a story (maybe a tiny detail, too little to make sense in an embroidered piece). So I browse my sketchbooks looking for candidates.

This month, I picked a sketch I made a few weeks ago in a beautiful place near my studio, the Miradouro de São Pedro de Alcântara. From here you get to see a beautiful panorama of my city, with the castle and the river in the background. When I made the sketch, I quickly captured some visitors that came and went, and even a naughty pigeon who wanted to be part of the group.

When I start embroidering the sketch, I make decisions about which strokes are important and which are “noise” when it comes to embroidery. Some of the pen strokes that help understand the context of the scene become “noise” when embroidered. I remove those strokes to get a “cleaner” embroidery template.

I share the process, the doubts and the leaps over on my Instagram account. Until I get to the finished piece, which I photograph and add to the final pdf embroidery template active members of the air Embroidery Club receive.

The final embroidered pieces become different things: this one is being worked on a cushion cover from ikea I’m filling with embroidered sketches of Lisbon. It will become a Lisbon-themed cushion. (I have several embroidered pieces waiting to see the light of day, maybe being shown in an art show and sold to new, loving homes, but this one will become a one-off mosaic of Lisbon scenes.)

You can see the final piece when I finish it on Instagram , Facebook, or directly in your inbox on March 1, when you joing the air Embroidery Club.

*
Some useful info and links:

  • We have two new knitting workshop dates: February 27 (this Saturday) and March 5 (next Saturday). There are a few spots left so please join us if you are here in Lisbon. More info here.
  • I’ve been asked if there will be knitting workshops in week days: I’m more than happy to organize for groups of 4 people. Let me know in the comments or by e-mail.
  • I love sharing bits of my days over on Instagram and Facebook.
  • If you want to learn embroidery, sign up for my free embroidery e-course. If you wish to get a fresh embroidery template every month, and join a group of really nice and supportive people, join the air Embroidery Club today.

That’s all for today! Have a great weekend – and happy stitching!

*
Committing another #Lisbon sketch to fabric. #asketchaday

Se há coisa que gosto de ver no trabalho dos artistas é o “making of”, o processo por detrás do produto acabado. Gosto, mas gosto mesmo. Porque quando vemos o produto acabado, vemos uma coisa terminada. Intuímos o trabalho que ali está, mas sem certezas. Achamos que a versão final foi sempre linda e perfeita, imaculada. No fundo, concentramo-nos no objecto final, e não no processo que o viu nascer. E eu adoro o processo, isto porque passo tanto tempo no processo, que se não o amasse seria certamente mais infeliz.

É por isso que gosto de ir partilhando o percurso entre a génese de uma ideia e o objecto final. E aqui, hoje, mostro-vos o desenho inicial, que estou de momento a bordar e a preparar para ser o projecto de Março no Clube de Bordado air.

Quando penso num projecto para o Clube de Bordado, penso em algo que possa ser representado numa dimensão pequena, e que no fundo conte uma história dentro da área do bastidor. Nem todos os desenhos servem esse propósito. Daqui, vou espreitar os desenhos que tenho nos meus caderninhos, ver quais se poderiam adequar.

Este mês, fui buscar um desenho que fiz há umas semanas no miradouro de São Pedro de Alcântara, uma perspectiva da vista e dos visitantes que se foram acercando para a observar. Ao bordar, vou percebendo que elementos posso retirar do desenho: a verdade é que há vários traços que ajudam a contar uma história no desenho, mas que no bordado só adicionam “ruído”. Esses detalhes saem.

À medida que vou bordando, vou registando o processo e partilhando fotos, dúvidas e reflexões na minha conta no Instagram. Até que chegamos ao produto final, que fotografo para constar na receita de bordado, em pdf, que os membros activos do Clube recebem.

Quanto aos bordados finais, esses, têm fins diferentes. Este que aqui vêem está a ser feito numa fronha de almofada de sofá que comprei no ikea, que estou a encher de desenhos lisboetas. Em vez de ir parar a um tecido solto, que depois acaba por ficar guardado no armário (tenho tantos à espera de uma exposição, ou de serem vendidos para irem para novas casas), estas fronhas ficam sentadas no meu sofá, onde as posso ver todos os dias.

Quanto ao bordado final – vejam no Instagram, Facebook, ou juntem-se ao Clube de Bordado para receberem a respectiva receita, muitas mais fotos do processo e instruções passo-a-passo no próximo dia 1.

*
Algumas informações úteis:

  • Temos duas novas datas de workshop de tricot: dias 27 de Fevereiro (depois de amanhã) e 5 de Março. Ainda há vagas! Mais informações e inscrições aqui.
  • Perguntaram-me por workshops de tricot durante a semana: até ao momento ainda não houve, mas poderá vir a haver. Se houver interesse, digam-me por favor nos comentários ou por e-mail.
  • Gosto muito de partilhar fotos dos bastidores dos trabalhos e do meu dia-a-dia no Instagram. Encontram-me aqui. Ou aqui, no Facebook.
  • Se quiserem aprender a bordar, podem fazê-lo no meu curso de bordado gratuito. Se quiserem receber uma receita de bordado por mês, todos os meses, e aderir a um grupo muito fofinho de gente que borda por esse mundo fora, façam-se membros do Clube.

E é tudo por hoje! Bom fim-de-semana para todos!

No jornal Expresso

IMG_3075

air-Principe Real no Expresso-do desenho ao bordado-1

Ler em português
A few weeks ago (last year?!), I was featured in an article that came out in Jornal Expresso’s magazine. For those of you who aren’t familiar with this newspaper, this is the most important national weekly, one that is regarded as being the source of good quality information, opinion and culture. This post could end right here – and maybe I should act all cool and professional about this! – but this was such an amazing experience I thought it would be fun to share more of how the interview was like for me. It was my first time being interviewed for a national newspaper, and it still feels very exciting today.

Back in August I was approached by a friend who put me in touch with a journalist who was looking for people who like sketching on the streets. The journalist was writing a guide of cool places to draw in both Lisbon and Porto, and – of course! – I said I’d be delighted to talk to her.

We fixed an appointment and got together just outside my studio, in a garden filled with old trees. It was a beautiful summer morning, just perfect to be out on the street, sketching. When the photographer arrived, they asked if I could choose a spot and start sketching, and the photographer took lots of pictures while I was standing, sketching, holding sketchbook just so so that he could capture both the view and the sketch. It was a lot of fun, but let me tell you – I now have a newfound appreciation for photographic models!

When the sketch was ready and the photographer had all the pictures he would need, the journalist, Katya, and I started a conversation. I know it was an interview and of course Katya wanted to gather information for the article she was writing, but I have to tell you that she was so nice and easy going that it felt much more like a conversation with a friend than an interview for an article running on a national newspaper.

In the end, the images featured were not of the sketch I made. But all in all this was a lovely morning and a wonderful experience for me. How exciting is it to be mentioned in a national newspaper? Very exciting, I have to say!

(Read the article in Portuguese: cover, page 1, page 2.)

The sketch I made for this interview, pictured above, became a project for the air Embroidery ClubLearn more and join here.

*

air-Principe Real no Expresso-1

air-Principe Real no Expresso-do desenho ao bordado-2

Há umas semanas atrás (hmmm… no ano passado, já?), o meu trabalho foi mencionado num artigo na revista E do jornal Expresso. Este post poderia ficar por aqui – e se calhar até deveria manter uma pose algo distante e muito profissional, mas a verdade é que foi uma experiência tão gira que achei que seria interessante partilhá-la aqui. Foi a primeira vez que o meu trabalho foi mencionado num jornal tão importante, e como tal ainda hoje fico muito contente de cada vez que penso nisso.

No Verão passado, em Agosto, fui abordada por um amigo que me pôs em contacto com uma jornalista, a Katya Delimbeuf, que estava a escrever um roteiro de desenho, em Lisboa e no Porto, para a revista do Expresso. Perguntaram-me se estaria disponível para conversar e desenhar – e claro que estava! Combinámos encontro aqui na praça mesmo em frente ao atelier e foi numa manhã de verão que nos encontrámos. Quando o fotógrafo chegou, pediram-me que desenhasse uma vista à minha escolha, e eu assim fiz. O fotógrafo captou então algumas imagens, pedindo-me alguma “ajuda” para conseguir fazer composições em que aparecessem a vista e o desenho da vista, no meu caderno. Foi uma experiência nova e muito gira para mim, que me fez ganhar uma nova apreciação por quem trabalha como modelo fotográfico (não é fácil!).

Quando o desenho ficou pronto e o fotógrafo entendeu que tinha todo o material de que precisava, passámos então à entrevista. Bem sei que a Katya precisava de recolher informação para escrever o seu artigo, mas pôs-me tão à vontade que mais pareceu uma conversa entre amigas!

No artigo final, as fotografias não são dos meus desenhos, mas ainda assim esta foi uma experiência muito gira! Oxalá se repita…

(Ler o artigo: capa, primeira página, segunda página.)

O desenho que fiz para esta entrevista, no topo, transformou-se em bordado para o Clube de Bordado air. Para saber mais e aderir, clique aqui.

Finding the well – and filling it

Walking in #Lisbon #Lisboa #lisbonlovers #mycity #artistswhowalk #tiles #Azulejo #dspattern #p3top #mytinyatlas

On my walk home, yesterday, I took a different path a noticed different things. Like this roof shaped like a cone, a tiny urban castle in #Lisbon #Lisboa #lisbonlovers #artistswhowalk

Ler em português

I like routines. I love them, actually. I love the security they give me, the feeling of knowing what comes next. I like to see the same faces in the bus, each morning; I like to look outside and be able to tell the time, just by gauging the luminosity. I like predictability, I like to have patterns framing my days.

But there are moments when breaking these beloved routines is the best – and most enjoyable – thing possible. Yesterday, I was sitting in front of the computer, feeling stuck and dry and something needed to be done about that. I decided to head home, but instead of taking my usual, direct path, I wandered through streets I never passed before.

I carried my head looking up and my eyes wide open and noticed anything that was different – a lot was different, just by taking a different route. My rule: avoid the streets I already know, take those that I don’t.

While walking, I noticed the Bougainvillea right next door sports flowers with two different colors. Or… are these two intertwined plants?

I found cone-shaped rook, like a fairy tale castle, smack in the middle of Lisbon, a stone’s throw away from my studio.

I crossed a little square, and found a beautiful dry well, hidden in plain sight, just a few steps away from a main avenue I often walk.

While I walked, I felt that little child that lives within me jumping with joy, looking at those potted flowers, that beautiful sign, the wonderful house surrounded by buildings. When I got home, my legs were tired, but my well was filled with creative energy.

If you, too, are craving to restore your inner creative well, join us today over at the air Embroidery Club and start stitching our November project.

You don’t know how to embroider? Learn free.

*

Is this one Bougainville plant? Or two different, intertwined plants? I spotted flowers in two colors and marveled at the show nature puts on for us. #Lisboa #Lisbon #artistswhowalk

I found this dry fountain, hidden in plain sight, just a few steps away from my usual path. #Lisboa #Lisbon #lisbonlovers #dslooking #mycity #artistswhowalk #wandering #mytinyatlas

Eu gosto de rotinas. Gosto. Gosto da segurança das rotinas, de saber o que vem a seguir. Gosto de encontrar as mesmas caras no autocarro, gosto de saber as horas olhando só para a luminosidade exterior, gosto de padrões previsíveis que se repetem e que enquadram os meus dias.

Mas momentos há em que gosto de quebrar essas rotinas, e de fazer algo completamente diferente do habitual. E então ontem, ontem mesmo, estava num daqueles momentos em que já não adiantava nada em frente do computador e decidi que precisava de ar. Arrumei as minhas coisas e preparei-me para ir para casa. E assim foi: fiz-me ao caminho, sem pressa, e por ruas por onde não costumo ir.

Fui de olhos bem abertos e de cabeça bem atenta a tudo o que era diferente, inesperado. A minha regra: escolher a rua desconhecida, caminhando na direcção de casa, mas não pelo caminho mais directo.

Neste passeio, notei que a buganvília mesmo aqui ao lado tem flores de duas cores – ou serão duas buganvílias juntas?

Encontrei um telhado cónico, qual torre de castelo de fadas, bem aqui no centro da cidade.

Passei por largos que nunca tinha visitado, e encontrei uma fonte, escondida, ainda que perfeitamente à vista, a dois passos de uma avenida onde passo frequentemente.

Enquanto caminhava, sentia a criança dentro de mim aos saltinhos, a apontar para aquele canteiro de flores, para aquele sinal luminoso, para aquela moradia ali, no meio dos prédios da cidade. Cheguei a casa cansada, mas cheia de energia criativa.

O bordado de Novembro do Clube de Bordado air, baseado num desenho da vista que tenho aqui do Príncipe Real, já está em caixas de correio por todo o mundo. Ainda vai a tempo de a bordar, também! Basta aderir ao Clube.

Se tem curiosidade mas não sabe bordar, aprenda, gratuitamente, aqui.

It’s like command-Z, but analog

Can't find my 7 inch hoop and am working with a smaller one on this. The view of #Lisbon from my studio is slowly appearing :) come learn to embroider with my free e-course: http://www.airdesignstudio.com/embroidery-e-course/Now I really need that 7 inch hoop... I need to stretch this and see how it will evolve. #embroidery project for next month's #airembroideryclub

Ler em português

The last few weeks have been full of embroidery around me. After launching the air embroidery e-course, I’ve been getting responses from many of you, and that has been wonderful (for me, meeting new people, even if only through email, is the best part of my work!). Then I’ve been stitching a few other projects, plus stitching – and testing, testing, testing – the air Embroidery Club‘s November project. That’s the thing about embroidery: you can test, test, test, but if it doesn’t suit you, you can rip the stitches off the fabric. It’s a bit like a command-Z thing, only very analog.

In a culture where everything, from communication to entertainment, has to happen fast, I love sitting down and getting down to stitching, one of my favorite ways of slowing down my rhythm and my own inner clock. My muscles relax, my concentration is high, my mind – like Sheldon Cooper would say – is in “the zone”. (Side note: I’m a  huge fan of The Big Bang Theory!)

Speaking of testing, of trial and error, in these pictures you can see one of my tests: I filled the pavement with long stitches – only to remove them later, as they just didn’t look right to me. Oh, and you know what I just realized this exact minute? I forgot to embroider a part of the bridge, one part that makes it most recognizable, one part that was very, very important… Can you spot it?

Join the air Embroidery Club to stitch this design with us. Or, if you’re just starting and want to dip your toes, register for the free, fun and fantastic air embroidery e-course here.

Thank you for your support and please consider joining the air Embroidery Club – or sending it as a gift to a loved one. It’s through your support that I can continue to make embroidered art.

*

The sketch this #embroidery is based on was made on a beautiful, shiny, summer day. Very unlike the weather now. It's November's #airembroideryclub project. If you wish to learn how to embroider for free, visit http://www.airdesignstudio.com/embroidery-e-This bridge is missing something... #Lisboa #Lisbon #embroidery #airembroideryclub #urbansketchers

Not anymore! Can you see what was missing? #urbansketchers #Lisboa #Lisbon #igerslisboa #igersportugal #airembroideryclub

Estas últimas semanas têm sido uma loucura bordada à minha volta. Depois do lançamento do curso de bordado gratuito, tenho estado a receber respostas vossas, o que é muito bom! (Se há algo de que realmente gosto no meu trabalho é de conhecer pessoas novas, mesmo que seja através de email). Tenho também estado a bordar outros projectos, entre eles o bordado de Novembro do Clube de Bordado air. O bordado de Novembro tem sido palco de inúmeros testes; e a coisa boa é que o bordado é muito permissivo, pois na maioria das vezes dá para experimentar e desfazer, se assim se desejar. É um pouco como o “ctrl-Z”, mas em versão analógica.

Num contexto em que tudo, tudo!, tem de ser rápido, desde a comunicação até ao entretenimento, adoro sentar-me e pôr-me a bordar, ou a tricotar, sentir o ritmo cardíaco a baixar e os músculos a relaxar. A concentração sobe e a minha mente, tal como diria o Sheldon Cooper do Big Bang Theory, fica “na zona”.

E por falar em experimentação e em tentativa e erro, nestas imagens dá para ver um dos meus testes: preenchi o pavimento com alguns alinhavos, mas depois achei que preferia não os ter lá e… já foram! Oh, e sabem o que acabei de perceber neste instante? Que me esqueci de bordar uma parte importantíssima da ponte sobre o Tejo! Quem encontra a diferença?

Para bordar este desenho já a partir de Domingo, junte-se hoje mesmo ao Clube de Bordado. Se não souber bordar e quiser aprender, pode fazê-lo no meu curso de bordado, que é gratuito! As inscrições fazem-se aqui.

Obrigada pelo apoio! Espero que considere aderir ao Clube de Bordado, ou então oferecê-lo a alguém que goste. É graças ao apoio dos membros que posso continuar a fazer ilustrações bordadas.

My story in Uppercase magazine

Uppercase magazine+#knitting = two of my favorite things. I'm really happy to share that I have an article about why I love to teach how to knit over on page 101. Thanks for the invitation, Janine! @uppercasemag #uppercasereader #uppercaselove

Read in English É sempre especial quando acontece chegar no correio o nosso exemplar da nossa revista favorita. E é mais especial ainda quando, como se deu neste número, tem um artigo escrito por mim. Já não é a primeira vez que contribuo para a Uppercase; já apareceram os meus bordados, já escrevi sobre outros, sobre o Clube de Bordado, sobre como o tricot me ajudou na integração quando fui para a Argentina.

Desta vez o tema também é tricot, e também me toca no coração: conto porque é que gosto de ensinar a tricotar. E isto até parece combinado para vos falar do workshop de tricot que vai acontecer no próximo Sábado, já no dia 17. (Ainda se podem inscrever, mandem-me um mail.)

Mas não foi combinado, foi pura coincidência.

É verdade, gosto mesmo de ensinar as pessoas a tricotar. Gosto da metamorfose subtil que se opera nas quatro horas de workshop, desde a insegurança inicial até ao processo alquímico que se dá na sala quando as malhas começam a sair e as voltas crescem debaixo das agulhas. Gosto de ver o entusiasmo das pessoas que, da concentração absoluta no que as mãos estão a fazer, passam – sem notar – a “fazer malha” sem olhar, enquanto conversam. E adoro quando dão conta disso, quando de repente se apercebem que conseguem fazer algo que não sabiam se iriam conseguir. É muito bom! Por isso, terei todo o gosto de receber quem quiser vir aprender este Sábado (há mais datas marcadas, esta é apenas a primeira), aqui com a melhor vista sobre Lisboa.

De resto, também na fotografia, o xaile que estou a tricotar para o meu Príncipe, que andava sempre a “roubar” os meus. Este é mesmo, mesmo para ti (mas pode acontecer que eu to roube a ti…). Detalhes da receita, fio e agulhas aqui no ravelry.

E finalmente: o curso de bordado já está online. É completamente gratuito e as inscrições fazem-se aqui.   

*

Thanks to @uppercasemag for having me in your Fall issue. Check out my story on page 101 about why I love to teach how to knit. #knitting #knitstagram #knittersofinstagram #uppercaselove #uppercasereader

The feeling is always special, when my favorite magazine gets to my doorstep. This issue, though, is even more special: this time around, there is a story by me on page 101 of Uppercase Magazine. It’s not my first time contributing, but it’s always exciting to see my name in print. My embroideries have been featured, I’ve written about others, I’ve shared the Embroidery Club, I wrote about how knitting helped me integrating when I moved to Argentina.

This time around, the topic is knitting, too. I reflect on why I love to teach people how to knit. And this may sound like a build up to this Saturday’s knitting workshop, but it isn’t. (You can still sign up by e-mail.)

It’s the truth: I love to teach people how to knit. I love the subtle metamorphosis happening between the moment students arrive, in the morning, feeling a bit insecure and the moment they leave. In the middle, there’s an alchemic process that happens: that moment when stitches start to happen and rows start growing under the needles. I love the enthusiasm, the full concentration on what hands are doing, and the moment people realize that they have learned how to knit and purl, for now they can even manage to keep a conversation while knitting. It’s amazing when students realize that they could, indeed, learn something they weren’t sure they would be able to.

That’s why I’m looking forward to having you this Saturday here with me, learning, stitching and enjoying the best view over Lisbon.

Also pictured, the shawl I’m knitting for my Prince, who used to “lift” my shawls from my drawer. This one is really, really for you (borrowing your shawl may or may not happen in the future; I’m not saying that it will, but I’m not denying it either. 😉 ). Pattern, needle and yarn details on ravelry.

One last thing: the air embroidery e-course is now live. You can register here, free.

A finished cowl

This weekend I finished #knitting my #honeycowl which now is my dear friend T's honey cowl. I hope she likes it and uses it until it falls apart in a very distant future. No pressure... ;)

Ler em português

Knitting has been slow over here. It’s summer, and I dislike knitting with cotton (or linen or hemp for that matter), which leaves me with mostly cold weather fibers. I specially like knitting with wool because it is so forgiving on the hands (hello, lanolin!) and also forgiving on the result, smoothing away uneven tension after a good soak.

In my case, there’s more to my slow knitting than warm weather and fiber choice. I know I’m still not up to knitting complicated patterns. You may recall that it took me a while to get back to knitting after my babies were born and my baby boy died. Life didn’t feel normal (I suppose that is true to most new mothers) and my grief was so overwhelming I hardly had any emotional space to start something, anything new.

When the different pieces of the enormous jigsaw puzzle that is grief started to slowly fall in their places, I started to feel that itch, and started my baby’s blanket. I needed a simple pattern, one that didn’t require much mental space to follow, but still kept me interesting. After that blanket, which was a turning point for me, I started a cowl, the Honey Cowl, to be more precise. It took me several months to complete, but who’s counting? Certainly not me. It feels like I’m suddenly coming back to the surface of those deep, dark waters. It feels like my joy of creating, of giving life to new things, is coming back.

Above is my Honey Cowl, pattern by Antonia Shankland, made with Lopo Xavier’s Trianon yarn (two skeins), colorway mustard.

I loved knitting it. It was intended for me, but then decided to give it to my dear friend T., who saw her life changed this summer. I wanted her to know that she is not alone, and gave her this cowl as a big hug. I hope she likes it.

Next on the needles: a shawl! It’s a simple stockinette shawl (with a purl ridge to add rhythm and interest every now and then) and it’s intended for my sweetheart. I’ll share more about it later.

In the meantime, I added three new dates for knitting workshops here in Lisbon, this Fall. Now that the weather is cooling, it feels great to cozy up with yarn and needles in hands. Check the dates here.

(And, if knitting is not your thing, but embroidery is: you can learn to embroider free with the free, fun and fantastic e-course that will launch later this month. Registration is now open!)


A #honeycowl is happening on my #knitting needles. #wool

O tricot tem andado lento aqui pelas minhas paragens. É verão, e não aprecio tricotar com algodão (nem linho, nem cânhamo), o que me deixa com fibras mais apropriadas a temperaturas mais baixas. Entre elas, a minha favorita continua a ser a lã, não só porque não desgasta tanto as mãos (olá, lanolina!) como também porque depois de lavada atenua possíveis diferenças na tensão.

No meu caso, há mais que calor e fibras quentes para justificar o meu tricot lento: ainda não tenho vontade de me atirar a projectos mais complexos. Talvez se recordem que demorei bastante tempo a voltar a tricotar depois do nascimento dos meus bebés e da morte do meu rapazote. A vida não me parecia nada normal (penso que esta é uma sensação comum a outras mães estreantes) e o meu luto era tão forte que não tinha qualquer disponibilidade mental para criar algo novo.

Quando as diferentes peças deste complicado puzzle que é o luto começaram, gradualmente, a cair nos devidos sítios, comecei a sentir aquela vontade de recomeçar, de pegar nas agulhas e fazer algo novo. E foi assim que comecei, fiz e terminei a mantinha da minha bebé. Precisava de uma receita simples, que não requeresse demasiado espaço mental, mas que ao mesmo tempo me mantivesse entusiasmada. E assim foi. Ponto a ponto, comecei a sentir-me mais parecida comigo própria, à medida que a manta ia crescendo no meu colo. Depois da manta, comecei uma gola, a Honey Cowl. Levou-me meses a fazer, mas isso é pouco importante. O mais importante é que me sinto a regressar das profundezas desse lago escuro que é o luto, e a pouco e pouco, à medida que vejo o tricot a crescer-me no colo, sinto que a minha alegria de viver e de criar coisas do nada está de volta.

Nas fotografias acima está a minha gola Honey Cowl, receita de Antonia Shankland, feita com duas meadas de lã Trianon da Lopo Xavier, cor mostarda.

Adorei tricotar esta gola! Comecei-a para mim, mas à medida que a ia fazendo começou a surgir a imagem da minha querida amiga T., que este verão viu a sua vida revirada de cabeça para baixo. Quis oferecer-lha porque ela é linda e fofa e também para que saiba que não está sozinha! Espero que goste!

Agora, nas agulhas, tenho um xaile bastante simples, desta feita para o meu querido Príncipe. Em breve partilharei mais sobre este projecto.

Por falar em tricot, adicionei três datas à página de workshops de tricot aqui no atelier, em Lisboa. Agora que o tempo começa a arrefecer, as agulhas voltam a chamar! Datas e inscrições aqui.

(E se quiser aprender a bordar, para além de tricotar, fica aqui o meu convite para se vir inscrever no curso gratuito de bordado que estou a preparar. As inscrições estão abertas!)

Silk threads of the past

We're lucky here because we have a "haberdashers' lane", filled with exactly that. Rua dos Retroseiros, aka Rua da Conceição. #lisboa #Lisbon #portugal #p3top

Ler em português

An update on the fundraiser in memory of our son Daniel: thanks to you, we have been able to double the initial goal. The campaign is on until June 21st, and until then please keep sharing the link (http://www.airdesignstudio.com/daniel) with your contacts by mail and social networks and donating, if you can. We have scheduled a meeting with Operação Nariz Vermelho to personally deliver this fantastic donation to them. We will keep you posted. Thank you, thank you!

After having lived in the New World for six years, I feel that Lisbon has layers and layers of little treasures, hidden in plain sight, waiting to be (re)discovered.

As was customary in many medieval cities, downtown Lisbon’s streets had unofficial names describing the craftspeople trading there. One of my favorite streets in the city is the haberdashers’ street (how unexpected, right?), officially known as Rua da Conceição, where to this day about ten different haberdashers are located. Entering one of these is nothing short of stepping into a cave full of treasures, where everywhere you look there’s an interesting notion or supply to see.

A few weeks ago I started feeling the itch to experiment embroidering with silk thread. I discussed it with the members of the air Embroidery Club and thought about running an online research to find some options. But then I remembered I shouldn’t purchase anything online until I had made a proper expedition to our local haberdashers’ street, which I finally did last Friday.

This was another travel back in time experience for me. These shops are mostly the same way they were in the beginning of the twentieth century, and the inventory may or may not date back to that time, too. So it’s all a matter of perseverance – and a bit of luck – until you find what you wanted (or even better).

In the second shop I found what I was looking for: beautiful embroidery silk threads of two different brands, one national, one from the UK. Both brands discontinued, these were the remnants of a decades old inventory. The factories themselves have been shut. These threads? These would probably be impossible to find online, and even if they are available that way, there’s nothing like seeing them in person. Online shopping is great, and convenient, but it’s not the same as rolling up your sleeves and diving into the treasures hidden in local, traditional shops.

I love Lisbon.

*
This was the juice of my expedition downtown, looking for #silk #embroidery floss. Found delicious treasures, only to be disappointed that these have been discontinued and the factories closed. Can't wait to work with them!

Antes do post desta semana, uma actualização da campanha de angariação de donativos em memória do nosso bebé Daniel: graças à ajuda de todos, conseguimos duplicar o nosso objectivo inicial, o que é absolutamente fantástico. A campanha dura até ao dia 21 de Junho, e por isso peço-vos que nos continuem a ajudar partilhando o link (http://www.airdesignstudio.com/daniel) com os vossos contactos, por mail e nas redes sociais; e também fazendo um donativo, se possível. Já temos uma reunião agendada com a Operação Nariz Vermelho para irmos pessoalmente entregar o nosso donativo colectivo. Bem hajam!

Após seis anos a viver no Novo Mundo, noto que Lisboa tem pequenos grandes tesouros escondidos à vista de todos, à espera de serem descobertos. Os retroseiros da Rua da Conceição – ou dos Retroseiros – são disso exemplo. Entrar numa destas lojas é como chegar à gruta do Ali Babá, repleta de tesouros.

Há umas semanas atrás comecei a sentir vontade de experimentar bordar com fios de seda. Depois de começar com o de algodão e ter experimentado o fio metálico (com quem mantenho uma relação de amor-ódio), chegou a vontade de experimentar uma fibra diferente. Falei desse assunto com os membros do Clube de Bordado air e parti para a pesquisa online. Até que me lembrei que não deveria encomendar nada sem antes visitar o epicentro do universo retroseiro, ali na Baixa Pombalina. A minha expedição foi na sexta-feira passada, e foi uma viagem coroada de êxito e de plena de novas experiências para contar.

Entrar nestas retrosarias é entrar num mundo sem pressas, onde antes de escolher se vê, se toca, se sentem as opções. Comparam-se cores, tecidos, texturas. Vem-se à janela, para ver à luz do dia, e espreita-se debaixo da luz artificial. De lá de dentro, do armazém, vêm tesouros, caixas com fios de seda, “trago-lhe tudo o que temos, menina, ora veja lá”. E foi assim que me deliciei a escolher, com vagar, os fios de seda que adoptaria como meus. Somos felizes, agora, os meus fios de seda e eu.

Os fios de seda que comprei são de duas marcas que já morreram, feitas em fábricas que já fecharam. São restos de um catálogo com muitos anos, de uma encomenda que nunca voltará a ser feita. E por isso ainda mais preciosos.

Não há dúvida de que as compras online são práticas, e aproximam-nos de materiais aos quais não teríamos acesso de outra forma. Mas nada bate as compras no comércio tradicional, nada bate sentir o toque e o brilho dos fios. Nada.

E é também por me proporcionar estas experiências que eu adoro Lisboa.

While waiting

On Tuesday I had an 8 minute wait for the bus. I was going to grab my phone for some mindless browsing, but my hand reached my #sketchbook instead and this #sketch happened. This prompted a reflection, soon to be up on the blog

A few pages from my #sketchbook . All sketches made while waiting. #moleskine #mymoleskine #dslooking #illustration

Ler em português

A quick update on the fundraiser in memory of our son: THANK YOU. We have now doubled our initial goal, and it’s all thanks to you. Please keep helping us by sharing the link to the campaign’s page (http://www.airdesignstudio.com/daniel) and donating, if you can. 

Last Tuesday, I got to my bus stop and learned that it would be another eight minutes until my bus arrived. My first and immediate reaction was to reach for my phone, for some mindless browsing. But my hand got my sketchbook before, and so I started a sketch of the view from where I was, something I see every weekday it became banal a while ago.

There’s this thing that happens when we become accustomed to what we see around us: we stop noticing. We don’t notice when those beautiful, hand painted tiles were ripped from the façade (a sad phenomenon here in Lisbon!); we don’t notice when a shop permanently closes. We don’t notice the gradual passage of time, and the turns that the things around us take, sometimes for the better, sometimes for the worst.

We only notice when the change is big, either within us, or around us.

What cures me from the not noticing syndrome is sketching. Because when I’m sketching I look at lines, at how and where they intersect. I compare what my brain believes is correct and what my eyes see – most often, the two do not coincide.

And so I sketch.

On this post, there are several sketches on my sketchbook, all of them made while waiting for something. They are all quick sketches, specially those with people (because people move). And looking at them, I realize that waiting does not need to be wasted time. Actually, it can become something, a moment here and there that are stolen to improve my skills. And to notice.

How about you? What do you do when you are forced to wait?

*
A few pages from my #sketchbook . All sketches made while waiting. #moleskine #mymoleskine #dslooking #illustration

Antes de mais, quero fazer uma actualização relativamente à campanha de angariação de donativos em memória do nosso bebé Daniel. MUITO OBRIGADA A TODOS. Hoje atingimos o dobro do nosso objectivo inicial, e é tudo graças à vossa ajuda. Por favor continuem a partilhar o link da página da campanha (http://www.airdesignstudio.com/daniel) e, se possível, façam um donativo (as instruções estão lá todas). OBRIGADA! 

Esta terça-feira, ao chegar à minha paragem de autocarro vi que teria de esperar oito minutos até à chegada do próximo veículo. A minha primeira reacção foi procurar o telefone, para um pouco de navegação de cérebro desligado. Mas a minha mão, às escuras dentro da carteira, agarrou o meu bloco de desenhos, e trouxe-o para a luz do dia. Comecei então um desenho rápido sobre o que via à minha volta, uma vista banal por se repetir diariamente.

Há algo que acontece connosco quando nos habituamos àquilo que vemos: deixamos de reparar. Estratégia do cérebro para navegar economicamente a realidade, imagino eu, deixamos de notar a degradação gradual dos edifícios que nos rodeiam, não nos apercebemos dos azulejos lindos que já lá não estão e que foram arrancados por gente interessada em vendê-los aos turistas e ganhar uns cobres. Não notamos a retrosaria que fechou, ou a banca de fruta que já lá não está.

Só voltamos a reparar quando há uma mudança grande, seja dentro de nós, seja no ambiente que nos rodeia.

O meu antídoto para o síndroma de não reparar é desenhar o que me rodeia. Com a caneta na mão, em vez de olhar para o conjunto, olho para o detalhe: como e onde se intersectam aquelas linhas? Desenhar é um exercício em ignorar aquilo que o cérebro acha que é verdade e valorizar aquilo que os olhos vêem.

Por isso, desenho para recordar.

Neste post estão vários desenhos feitos enquanto esperava por algo. São todos desenhos rápidos, até porque, como é sabido, as pessoas mexem-se. Olhando para eles vejo que as esperas não precisam de ser tempo perdido, pelo contrário: podem tornar-se tempo útil para melhorar as minhas habilidades, para exercitar o olhar.

E o meu caro leitor? Como encara os momentos em que tem forçosamente de esperar?

Join our community and get your free illustration. Seja o primeiro a saber as novidades e receba uma ilustração gratuita!

Last week we went to the opera

Looking around me in the opera house, the Teatro Nacional de São Carlos, I saw #pattern everywhere. #lisboa #lisbon #p3top

When our president ones to the opera, he gets to see it from here. Wouldn't it be fun to watch from there? #lisboa #lisbon

And I loved it, for many reasons. We went to see La Cenerentola, by Gioachino Rossini, an opera we watched on tape, as kids. We left the baby at home and got ready to enjoy an evening out.

Everything was delightful: the opera house, our Teatro Nacional de São Carlos, officially opened in 1793 and is still a beautiful building. It has an old time charm impossible to replicate in newer buildings. There are patterns everywhere, beautiful details wherever my eyes looked. When entering the building I somehow expected to see women with puffy dresses and men wearing wigs.

When the show started, the music itself made me travel in time, this time to my childhood (which took place in a closer decade, albeit not in this century). I discovered that I still remembered certain stretches of music, tiny bits of text here and there. At one point I had to stop myself from singing along: I wouldn’t want to ruin the experience to the other people in the audience!

It was magic and fun, and I hope to be able to go again sometime soon.

How about you? Did you do something different lately? Anything that took you traveling back in time?

P.S. – Did you read about the air Embroidery Club over at Portugalize.me?

*
More #patterns everywhere, this one during the intermission. #lisboa #lisbon

Looking up, beautiful #type (and more). #listype #lisboa #lisbon  #p3top #pttype

Na semana passada fomos à ópera, ao nosso São Carlos, para ver La Cenerentola, de Gioachino Rossini, uma ópera que víamos, em crianças, em VHS (que é uma tecnologia tão século passado!).

Tudo, neste serão espectacular, foi maravilhoso: o São Carlos, inagurado em 1793, só por si é um edifício lindo, com um charme impossível de replicar em edifícios mais modernos. Onde quer que os meus olhos pousassem, havia detalhes lindos, deliciosos. Ao entrar, confesso que quase, quase esperei ver homens com longas perucas brancas e mulheres com vestidos de saias largas.

Quando a ópera começou, a viagem no tempo levou-me à minha infância (que aconteceu numa década mais próxima, ainda que no século passado). Não pensei que fosse possível, mas ainda me lembrava de alguns trechos – e dei por mim a ter de controlar a minha vontade de “acompanhar” os cantores! Não quero arruinar a experiência da ópera a ninguém…

Foi mágico, lindo, magnífico, e espero poder voltar em breve.

Passo-lhe a palavra a si, caro leitor: que viagem fez no tempo ultimamente?

P.S. – Esta semana estou no Portugalize.me a falar sobre o Clube de Bordado!

Join our community and get your free illustration. Seja o primeiro a saber as novidades e receba uma ilustração gratuita!