Category: Dias importantes

My first Giveaway!

Ana-Ramos-giveaway

How exciting, my first Giveaway!

I want to celebrate this Holiday Season with you, my dear readers. So for the next few days, I will be running a Giveaway.

This is your chance to win a FREE one year subscription to the air Embroidery Club. The winner will be able to enjoy the prize or give it as a Christmas gift, how cool is that?

Enter the Giveaway until December 23rd, 2013, by using the form below. Remember: you only need to use one of the options (tweet, like “airing from Lisbon” on Facebook or become a Twitter follower), but you are more likely to win if you do all three of them!

Enter now!

a Rafflecopter giveaway
*

Que emoção, o meu primeiro sorteio!

 

Para celebrar o Natal e a estação, quero organizar aqui uma pequena “festa” em forma de sorteio.

 

O prémio para o vencedor é um ano inteirinho de Clube de Bordado air, que pode ser gozado pelo próprio ou oferecido a um amigo.

 

Para entrar no sorteio, basta usar o formulário abaixo e escolher qual (ou quais) opção prefere (publicar um tweet, fazer “gosto” da nossa página no facebook ou seguir @air_billy no Twitter).

 

Lembre-se: para ser considerado para o prémio, basta concretizar uma das opções; mas optando por mais que uma tem mais chances de sair vencedor!

 

Participe já!

a Rafflecopter giveaway

Behind the scenes: a very special gift

Embroidered tablecloth step 1

Embroidered tablecloth step 2

Embroidered tablecloth step 3

Embroidered tablecloth hidden message

One of my favorite aspects of working on a creative project is collaboration. In Portuguese, we say that two heads think better than one. And I believe that is absolutely true when it comes to creativity.

Many people believe that artistic work demands a troubled, lonely time; but that is not my experience at all. I love how my work depends so much on collaboration: all the parties come together to make the final result a lot better than if it were made by just one of the teams.

Last year, I received a commission that perfectly illustrates this. My client and friend Laura approached me with a very special commission: she wanted to give a special wedding present for a special friend, one that had a bit of each of the members of her family, dedicated to the bride.

So she came up with the idea of embroidering handwritten messages on a tablecloth, and from then on, we started working on it together.

First, each of the four gift-givers wrote their messages on their own handwriting on paper. I enlarged the text and printed it out; cut out each of the words and then, with Laura’s help, positioned them on the tablecloth, secured with pins.

I suggested four colors that would represent each of them, and an extra one for a special, hidden message.

Then I transferred each word to the fabric, so that I could get rid of the pins – I lost count to how many times I got stabbed by them!

Embroidery is one of those activities that almost immediately take me into a meditative state where I completely relax and am, at the same time, completely focused on the task at hand. Stitch by stitch, words became written in floss and the tablecloth took shape.

During the whole time, I kept sending Laura updates, either in photographs or short emails. Anticipation grew and I simply couldn’t wait to finish this project and show it to Laura!

As soon as I finished embroidering, I washed and ironed the cloth and took as many pictures as possible. Laura wasn’t in town at the time, so I mailed it to her and had to wait, as patiently as I could manage (ahem), to wait for her feedback.

I was later told that both the givers and the recipients loved the present, and I couldn’t have been happier.

The joy of working on a project is mostly about the story the client and I create: what is the message I want to send? How can I do it? Who and what will help me achieve that?

Thinking together about these questions and their answers is the key to a successful collaboration. This was a lovely project to work on and I’m looking forward to many more!

*

Um dos aspectos de que mais gosto quando trabalho em projectos criativos é a colaboração. O ditado duas cabeças pensam melhor que uma aplica-se, a meu ver, na perfeição.

Há quem pense que o trabalho artístico requer solidão, mas essa não é a minha experiência. Adoro quando surge um novo projecto em que posso colaborar com o cliente e constatar que o resultado final é melhor que o que seria se estivéssemos, cada uma das partes, a trabalhar sozinhas.

No ano passado, recebi uma encomenda que ilustra esta minha convicção: a minha cliente e amiga Laura abordou-me com um pedido muito especial, o de criar um presente de casamento único para oferecer a uma grande amiga. Deu-me a ideia de oferecer uma toalha de mesa bordada com mensagens escritas pela família dela para a noiva. A sugestão foi imediatamente aceite e daí em diante foi uma chuva de ideias.

Cada um dos membros da família escreveu as suas mensagens com a sua caligrafia. Depois de copiar, ampliar e imprimi-las, recortei cada uma das palavras e dispu-las com alfinetes sobre a toalha, testando, em conjunto com a cliente, várias composições.

Escolhemos quatro cores, uma para cada membro da família, e o trabalho do bordado começou. Primeiro, transferi as palavras para a toalha, para me libertar das alfinetadas. E aos poucos as palavras começaram a aparecer, escritas a fio, ponto por ponto. Bordar é uma actividade que rapidamente me transporta para um estado meditativo em que relaxo completamente, ao mesmo tempo em que estou incrivelmente focada no que estou a fazer. Dir-se-ia que é um yoga de agulha e linha!

Durante todo o trabalho, fui enviando actualizações à cliente, ou em fotografia, ou através de pequenas frases. Assim que terminei o trabalho de bordado, lavei a toalha e engomei-a, fotografei-a e meti-a no correio para a enviar para o seu destino. Estava desejosa de que a cliente a visse e tive de conter a minha impaciência até que o embrulho lhe chegou às mãos.

Foi uma alegria saber que todos adorámos o projecto: eu adorei a execução; a cliente e a presenteada, o resultado.

Para mim, a alegria de participar num projecto tem tudo a ver com a história que o cliente e eu criamos: que mensagem queremos enviar? Como fazê-lo? Quem me pode ajudar?

Pensar em conjunto sobre as respostas a estas perguntas é a chave do sucesso das parcerias. Que, na minha opinião, acontecem sempre que alguém pede um trabalho e alguém decide aceitá-lo. Este foi um desses fantásticos projectos que nos deixam com vontade de mais.

Special days | Dias importantes

Ines-Marinho-Macau-screen

Isn’t this photo beautiful? My friend Inês Marinho took it. Check out her awesome gallery! * Não é linda a foto? É da autoria da minha amiga Inês Marinho. Não percam a galeria completa!

*

26 years ago, my mother, my sisters and I arrived to Southeast Asia for the first time. My father had moved to Macau a few months prior, and those months were filled with phone calls and letters with stamps depicting jetfoils. At the time, to place an international phone call you would have to enter “097”, not today’s “00”. Ancient history, as you can see.

I remember flying for the first time, with layovers in Switzerland, where we changed planes, and Pakistan. I can still recall the first time we landed at Kai Tak International in Hong Kong: outside the tiny window we could only see water, not even a slice of runway. The moment we touched the ground, butterflies batted their wings inside my stomach.

When we left the airport, I felt I could touch the air. The heat and humidity made it hard to inhale but easy to grab. When I look back, I wonder how my mother took the three of us in an intercontinental flight, unable to speak English. Quite the adventure.

The odyssey went on for several years, with the difficult adaptation to a new environment, new culture, new friends. The shows we watched on TV were completely different from those our cousins watched back in Portugal.

Letters took their time getting there: two weeks between West Europe and Southeast Asia. (I’ve been told this is still the case. But after living in Panama, I recognize we were so blessed to have the ability to send and receive mail.)

Phone calls were rushed, the high-pitched tone marking the fleeing units in the background. They were as frequent as the tropical rain, which introduced us to the very new combination of rain and hot weather. The downpours had us walking in water up to the waist. Everything was new.

The smell was overwhelming: the Pearl River Delta mixed with ripe mangoes, drying fish and meat, featherless ducks and chickens waiting to be cooked, incense burning everywhere. The overcast sky and my first typhoons. Having no friends or acquaintances. Knowing no one.

This was the first of several migrations. One could think moving internationally gets easier with time and experience, but it doesn’t. Modern technology helps, but the distance is always there. Human beings adapt easily; stark contrasts fade with time; but I admire those who move internationally every three years. It’s not easy.

Looking back, I am grateful for the experiences abroad. That month of August of the distant year of 1987 marked the biggest change in my life, the beginning of an international life. Thanks to my experiences abroad, today I can value and appreciate my return to Lisbon, my chosen hometown, and my country.

(Don’t miss the new Embroidery Club! Either a beginner or a seasoned stitcher, you will love receiving a new template every month. Several people have asked me questions about it and I’m preparing a post with all the answers. Thank you!)

*

Há 26 anos atrás, feitos ontem, chegámos pela primeira vez, de armas e bagagens, ao Oriente. O meu pai já estava em Macau e esses meses de distância foram preenchidos com telefonemas e cartas dentro de envelopes com selos de jetfoils. Era o tempo em que o indicativo internacional era 097, não 00. Pré-história, portanto.

Lembro-me da viagem de avião, com escalas na Suíça e no Paquistão, até Hong Kong. Lembro-me da primeira aterragem em Kai Tak: da janela, víamos mar a toda a volta, nada de asfalto. O arrepio no momento de pousar. O jetfoil até Macau.

Quando saímos, senti que podia agarrar o ar. O calor e a humidade tornavam-no palpável, difícil de inalar. Hoje olho para trás e pergunto-me como é que a minha mãe se orientou numa viagem intercontinental com três filhas a reboque, sem sequer falar inglês. Uma aventura.

A odisseia continuou nos anos seguintes com a difícil adaptação ao novo ambiente de pequena aldeia urbana, às culturas chinesa e macaense, às transformações observadas nos portugueses que lá viviam. A televisão em chinês, inglês e português e os desenhos animados que nada tinham que ver com os que os meus primos viam, em Portugal.

As cartas demoravam duas semanas entre o extremo ocidental da Europa e o extremo oriental da Ásia; hoje em dia, depois da experiência panamenha, agradeço a existência de serviço de correio em ambos os lugares. Aliás, que mal habituados estamos a receber e enviar correio sem nenhuma dificuldade – e ainda nos queixamos.

Os telefonemas marcados pelos apitos dos impulsos, que caíam com tanta abundância como a chuva tropical que lá conhecemos pela primeira vez. Calor e chuva, que combinação bizarra. Água pela cintura e a inutilidade do guarda-chuva: uma novidade.

Os odores, tão diferentes dos nossos. A combinação do rio das Pérolas, castanho de sedimentos, com os cheiros da manga, da carne e do peixe a secar e do incenso a queimar. O “capacete” das nuvens e os primeiros tufões da minha vida. Não ter amigos nem conhecer ninguém.

Esta foi a primeira de várias emigrações, e apesar de podermos pensar que as seguintes foram mais fáceis… não, não foram. Nunca são. A tecnologia moderna ajuda, mas a distância está sempre lá. Uma pessoa adapta-se a tudo, felizmente, e as diferenças suavizam-se com o tempo, mas quem muda de país de três em três anos merece toda a minha admiração.

Hoje, 26 anos depois da minha primeira emigração, agradeço as experiências vividas lá fora. Nesse dia de Agosto de 1987, tinha alguma noção de que a minha vida iria mudar, mas jamais poderia imaginar quanto. Graças à vida lá fora, hoje valorizo e gozo muito mais o meu regresso a Lisboa, à minha cidade e ao meu país.

(O Clube de Bordado está prestes a começar: a partir de Setembro de 2013, recebe uma receita de bordado todos os meses! Em breve, as respostas às perguntas mais frequentes.)

Novidades boas

My birthday cake rocks

My birthday cake rocks

Vamo-nos mudar. Os três anos de projecto no Panamá chegaram ao fim e a vida é assim, cheia de mudanças. No nosso caso, de três em três anos, mais coisa menos coisa.

Quando viemos da Argentina cá para o Panamá, deixei no ar um desafio para ver quem adivinhava qual o nosso próximo destino. Bem sei que induzi alguns leitores em erro quando dei a pista de “Moro num país tropical”; fui malandreca, assumo.

Desta feita, deixo-vos as fotografias (todas tiradas pelo Príncipe) do bolo lindo, lindo, lindo que a minha amiga Catarina fez para celebrar o meu aniversário, no passado dia 8. Aliás, foi ao ver o bolo que algumas pessoas ficaram a saber a notícia.

E agora, caros leitores, preciso da vossa ajuda: que nome hei-de dar a este blogue? E à zine? Agradeço as vossas sugestões!

(Quem quiser contactar a Catarina e ter um bolo lindo, delicioso e cheio de pequenos detalhes para ir descobrindo, clique aqui.)

Bom ano novo!

2013 já chegou e cada vez estou mais atrasada com os relatos das viagens que temos feito. Há muito para contar, há sim, e agora que o ano começa, que aqui se gozam as férias grandes – há outra disponibilidade, portanto – vou-me esforçar muito para pôr os posts em dia.

Vamos então?

Boas Festas

We're in Panama, issue 31

Queridos leitores,

Chegou o fim do ano de 2012, um ano cheio de acontecimentos, a maioria positivos, alguns menos bons. Esta zine celebra alguns dos objectivos que consegui cumprir, celebra o fim do ano e encerra, cheia de esperança, desejando que 2013 seja um ano bom e colorido.

Podem lê-la clicando aqui e partilhar um dos vossos objectivos para 2013 ali em baixo, na caixa dos comentários.

Por agora desejo-vos festas felizes, algum descanso durante o Natal (se possível), muito amor, paz, alegria e que cá continuem a vir em 2013. Eu cá estarei, a partilhar mais aventuras convosco.

Obrigada a todos.

Peace out, como dizem em inglês.

Surpresas

Chegou hoje, ainda por cima autografado. Surpreendente presente, estou contente!

Hoje, quando cheguei à estação de correios e abri o meu apartado, tinha um envelope gordinho. Lá dentro, uma surpresa: um presente de aniversário (adoro presentes).

Com cuidado, tirei o a gordura do envelope e vi que era “A Montanha Mágica” do Rodrigo Leão. Eu, fã inveterada do artista, fiquei muito, muito feliz.

Mas a surpresa não se ficou por aqui. Atrás está um autógrafo do Rodrigo Leão, autógrafo esse conseguido pela minha mãe-agente-representante da filha, que é fã.

Obrigada, adorei! E já ouvi e vi e vou ouvir muitas mais vezes.

Portugal fica um pouquinho mais perto (continua a faltar o cozido…).

Uma zine comemorativa dos meus 34

Fiz 34 anos no dia 8 de Fevereiro. O meu aniversário passou sem ser assinalado aqui no blog, é certo, mas não foi por falta de assunto; foi, pelo contrário, pelas muitas actividades que fiz nesse e nos dias seguintes, uma celebração de vários dias.

Por isso, peço aqui emprestada ao TMT Design Studio (Teresa, Mena e Titi) a zine que fizeram para me mandar nesse dia para me desejar um feliz aniversário.

Para ampliar e apreciar todos os detalhes, cliquem directamente nas fotografias.

Foi uma surpresa deliciosa de que muito gostei! Adorei o retrato da família e também de ver as actividades favoritas deste colectivo criativo. E que me têm a dizer sobre a capa? Espectacular, não acham? E já viram o endereço do “site” deste grupo?

Espero que desfrutem tanto quanto eu de observar esta zine irmã do We’re in Panama! e que se juntem a mim para pedir mais números:

Queremos mais! Queremos mais! TMT Design Studio, queremos mais!

Uma mantinha muito especial

"Hugo" baby blanket

"Hugo" baby blanket

"Hugo" baby blanket

Esta mantinha, para mim muito especial, foi feito para o bebé de uma amiga que fiz cá no Panamá. Este “pequeno humano”, que chegará em meados de Dezembro, vai ter uma manta luso-panamenha, tal como ele próprio, à sua espera. Espero que ele goste tanto dela quanto eu gostei de a escrever, bordar e coser. Foi feita com muito:

"Hugo" baby blanket

(A mantinha é abbrigate*, claro. Para quem quiser encomendar uma, é só dizer.)

Panamagusto

Panamagusto

Ontem, Domingo, celebrámos o São Martinho (com algum atraso, é certo) aqui no Panamá com um magusto muito peculiar. Graças a uma das nossas convidadas, tivemos direito a castanhas cozidas e assadas (oba, oba!); mas o cardápio de iguarias portuguesas não se ficou por aí. Tivemos pastéis (“bolinhos, bolinhos!”) de bacalhau, salada de polvo, feijoada, tremoços e azeitonas, cerveja e vinhos; entre eles, vinho português, em representação da jeropiga. De doces, tivemos um pudim e chocolates com vinho do Porto.

Uma das descobertas da data foi a de uma semente de palmeira chamada pixbae e que tem o nome científico de Bactris gasipaes. Tem uma polpa fibrosa e um gosto que faz lembrar o da castanha, talvez misturado com o da abóbora; é endémica desta zona e por isso foi uma excelente descoberta. Já imagino purés de pixbae tanto em doces como acompanhamento de salgados.

Foi um excelente convívio e desde já agradeço a todos terem vindo e participado com tanto entusiasmo. Fica, contudo, a dúvida: com tanta cadeira e sofá, porque é que falámos horas e horas em pé?

Excelente notícia!

Esta excelente notícia tem-me com um sorriso há algumas horas:

In Uppercase!

In Uppercase!

Estou tão, mas tão contente e orgulhosa por ter o meu trabalho incluído na Uppercase, uma revista que assino e de que tanto gosto. Para quem trabalha como freelancer e sozinha, esta é uma validação de que o que faço tem interesse e valor. E isso deixa-me muito feliz.

E agora vou ali fazer festinhas ao meu exemplar da revista enquanto dou mais uns passinhos de dança.

Oh.

RIP Steve Jobs

Estou triste com a notícia da morte de Steve Jobs. Que fazer? Graças a este senhor há vários anos trabalho de forma muito mais cómoda e com sistemas operativos intuitivos, funcionais e fáceis de aprender; apesar de usar computadores da marca há mais de 10 anos, até hoje só tive duas máquinas. Obsolescência? Esta em que escrevo já tem cinco anos e continua a dar cartas.

Há mais de um ano atrás apaixonei-me pelo iPad, ferramenta que uso todos os dias, sobretudo para lazer, mas também para trabalhar. Os cépticos não lhe encontravam utilidade; eu já não sei como seria viver sem ele.

Ao maluco que imaginou que podíamos ter toda a nossa música num paralelepípedo (iPod); que quis um telefone só com um botão (iPhone) e que achou que devíamos navegar na net numa coisa para a qual nem havia nome (iPad), só posso agradecer. Estas ideias loucas vieram revolucionar e facilitar a minha vida.

Em jeito de despedida, o discurso do fim de ano na Universidade de Stanford. Vale a pena ver até ao fim.