Learning by doing

#embroidery in progress: a preview of the #airembroideryclub April project. Metallic floss is tricky to use but I'm loving the way it looks.

I’ve been working on April’s project for the air Embroidery Club. This time around, I wanted to go back to the metallic floss I had bought for the December project, the holiday wreath. Back in December, I can’t say that I loved the experience of working with that floss. Actually, I hated it.

This month, though, I wanted to try it again. I started using one of the metallics on a personal project I’m developing (if you follow me on Instagram, you probably saw some pictures), and thought that the April Embroidery Club’s project would be a great way to experiment with it, too.

I was used to working with Cotton Perlé number 8, a really nice embroidery thread that gives a defined look to any embroidery. It’s very much like using a pen (on paper), so it was my obvious choice when transitioning to “drawing” on fabric. It comes in little balls, it doesn’t split, you work with it as is. It comes in many, many colors, so color lovers out there can imagine how happy I am when I enter a haberdashery and see shelves organized by color. My kind of happy place!

The metallics are a very different kind of floss, though. They come in little hanks and once I pulled the end of the floss, it immediately started splitting into six different threads. And because they are made of a man made fiber covering another fiber, they quickly become frayed with use, splitting even more.

So there are many adaptations to make in the way I embroider with metallics, one of them being cutting shorter lengths of floss each time I need to “restock” my needle. I also googled tips and some were useful, some were knot. (sorry, I couldn’t resist!)

This made me think how important the materials are when working, and how different materials condition the way we work. Different materials force us to adapt and use them in a different way. A cotton thread will never be the same as a mettalic floss, so the technique must reflect that difference, too.

This is a process for me, where I still don’t have a lot of answers to share with you. But this researching, this trial and error, this learning by doing make it all the more fun.

If you want to join the fun and learn by doing, sign up for the Embroidery Club today and receive this pattern in your inbox on April 1st. We have a really supportive facebook group where everyone shares knowledge and questions, and strangers become friends. We’re waiting for you!

*
This will be my first time using metallic #embroidery floss. Coming soon to the #airembroideryclub.

Tenho estado a trabalhar no projecto de Abril para o nosso Clube de Bordado air. Este mês, quis voltar a trabalhar com os fios metálicos que comprei para o projecto de Dezembro, a coroa de Natal. Em Dezembro, não posso dizer que tenha adorado trabalhar com estes fios metálicos. Pelo contrário: detestei.

Este mês, contudo, quis experimentar outra vez. Retomei a minha relação com os metálicos num projecto pessoal que estou a desenvolver (já partilhei algumas fotos no Instagram), e pensei que o projecto de Abril do Clube de Bordado poderia ser uma boa forma de fazer as pazes com eles.

A verdade é que estava habituada a trabalhar de forma quase exclusiva com os fios Cotton Perlé número 8, um fio que confere uma grande definição ao ponto, um pouco como uma caneta de ponta fina confere definição ao traço no papel. Daí que essa tenha sido a minha primeira escolha quando fiz a transição do desenho no papel para o “desenho” bordado em tecido. Este fio é vendido em pequenos novelos, não se desfia (só ligeiramente na ponta que não vai ser usada), e pode ser usado tal como sai do novelo, sem qualquer preparativo. Vem numa miríade de cores, e acho que podem imaginar a minha alegria quando entro num retroseiro e olho para as estantes com os novelitos organizados por cores. É uma versão do paraíso, para mim! 🙂

Os metálicos são um fio muito diferente. Vêm em pequenas meadas e assim que se puxa pela pontinha do fio, ele começa logo a separar-se em seis fios mais finos. E porque são feitos de uma fibra artificial que cobre outra fibra, desfiam rapidamente quando se está a bordar.

A diferente natureza destes fios obriga-me a fazer adaptações na forma como bordo com os metálicos, sendo uma delas a de cortar porções de fio mais curtas do que cortaria se do Cotton Perlé se tratasse. Para aprender, também usei os recursos desta fantástica internet e pesquisei dicas para bordar com fios metálicos. Algumas foram muito úteis, outras nem por isso. Suponho que cada pessoa tenha a sua forma óptima de trabalhar, ditada pelas suas próprias contingências e gostos.

Todo este processo me tem feito reflectir sobre a importância da escolha dos materiais na forma de trabalhar, e como diferentes materiais condicionam os métodos de trabalho. Os materiais obrigam-nos a adaptar-nos às suas características de forma a usá-los da forma que mais os optimiza. Um fio de algodão mercerizado nunca será igual a um fio metálico, pelo que a técnica de bordado tem forçosamente de ser diferente.

Esta é uma aprendizagem valiosa para mim, que ainda decorre (e sempre decorrerá, imagino eu). Ainda não tenho muitas respostas para partilhar convosco, mas esta pesquisa, este processo de tentativa e erro, esta aprendizagem prática são um caminho que eu considero muito rico e ainda mais divertido.

Se quiser aprender fazendo, inscreva-se no Clube de Bordado hoje mesmo e receba esta receita na sua caixa de correio electrónico no dia 1 de Abril. Temos um grupo muito simpático no facebook onde todos partilhamos dúvidas, aprendizagens e experiências e estranhos se tornam amigos. Estamos à sua espera!

Join our community, start beautifying your life!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge