Guia de sobrevivência, parte II

Roupa de festa. #bica #lisboa

Obrigada a todos pelos comentários deixados no post de ontem, o Guia de Sobrevivência à Psique Nacional.

Porque os comentários deixados aqui e no Facebook me pareceram muito interessantes, faço-lhe aqui uma adenda.

O ponto quatro, sugestão do CSL, fazer o luto do que a vida já foi e do que já tivemos. Sim, já todos tivemos épocas de mais abundância, mas a vida continua. O sol brilha todos os dias e a Terra vai continuar a girar, com euro, sem euro, com mais dinheiro ou menos na carteira.

Já todos tivemos sonhos e desejos que por uma razão ou outra não se concretizaram. E sobrevivemos, não é verdade? A vida muda, delineamos novos objectivos, criamos outros sonhos. No Verão há-de continuar a cheirar a urze, quer tenhamos mais impostos ou não.

E por falar em impostos, acrescento aqui o ponto cinco, sugestão da minha amiga M., que diz que não devemos esperar nada da parte do Estado e que devemos lutar pelo nosso bem-estar sem esperar nada de ninguém. Na minha opinião, este ponto está intimamente ligado ao que dizia ontem a respeito do complexo de vítima, porque é a vítima que espera que um “alguém” indistinto lhe resolva os problemas.

E o ponto seis, que cheira a maresia, veio da minha amiga I., que recomenda sol e mar. Eu completaria com todos os pequenos prazeres que não se pagam nem têm preço: um passeio no jardim, um livro na biblioteca, um encontro com um amigo de quem se tem saudades.

Mais sugestões?

Join our community, start beautifying your life!

3 comments

  1. Karen says:

    Achei que você estava com malas feitas para os Açores… Está no Porto? Até quando? Pensamos em fazer uma visita no próximo ano… 🙂

  2. Anonymous says:

    Que bonito está o elevador!
    Esta tarde a C1 perguntou-me quanto custa o bilhete do eléctrico e eu disse-lhe que comprado no dito cujo custa três euros. Afinal são três e sessenta.
    A tua fotografia elucida-nos.
    Bjs.
    M

  3. Billy says:

    Karen, olá! Não, estamos em Lisboa! 🙂 Mas o Porto é aqui “ao lado”, quando se vem do Brasil. Avisem quando vierem, vai ser um prazer encontrarmo-nos.

    Beijinhos!

    M, podes levar a C1 no elevador com o vosso bilhete do eléctrico, penso eu. O elevador é mais caro porque é muito turístico.

    Beijinhos!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge