Yosemite National Park, Califórnia

Yosemite National Park

Yosemite National Park

Yosemite National Park

O parque nacional de Yosemite é simplesmente maravilhoso. Localiza-se na cordilheira da Serra Nevada, que faz uma fronteira natural entre os estados contíguos da Califórnia e do Nevada. De Napa até Fish Camp, perto da entrada sul do parque, demorámos cerca de cinco horas. As distâncias no continente americano são sempre surpreendentemente grandes.

Ficámos instalados no Tenaya Lodge, um grande hotel de montanha, habituado a receber os visitantes que já não têm vontade de acampar ou não conseguiram reserva para o alojamento que se localiza em Yosemite Village. Apesar do tamanho, fomos exemplarmente recebidos e comemos sempre divinalmente no seu restaurante. Para além da comida deliciosa, há que falar também do serviço de mesa: que simpatia!

Ficámos três noites e dois dias completos no parque, o que foi suficiente. Ainda assim, quem tiver mais dias para lá passar vai sempre encontrar actividades para fazer e trilhos novos que descobrir. Todas as estações do ano têm os seus encantos e o Outono, especificamente, é lindo pelas cores das árvores de folha caduca, que mudam de cor. Tinham-nos prevenido que veríamos pouco caudal nas quedas de água, mas não ficámos desiludidos. Imagino que com o degelo sejam incrivelmente assustadoras e belas, mas com pouca água dão-se bem à fotogenia.

Yosemite National Park

No primeiro dia de visita entrámos no parque ($20 dólares por carro, válido por sete dias) e fomos em direcção ao centro nevrálgico, a aldeia de Yosemite Village. No caminho, logo a seguir ao túnel, parámos para uma vista panorâmica, na qual se distingue muito bem o traçado do antigo glaciar.

Yosemite National Park

Alguns quilómetros à frente, estacionámos o carro e fizemos um pequeno trilho para ir ver a Bridalveil Fall, que cai de lá de cima, do cimo das paredes a pique, até cá abaixo, a base do vale.

Yosemite National Park

Continuámos o passeio até ao parque de estacionamento da vila, que é servida por um conjunto de autocarros gratuitos. Deixámos o carro e seguimos para o acesso ao Mist Trail, um trilho que leva a várias quedas de água, piscinas, e até ao famoso Half Dome, um maciço de granito com uma forma peculiar que é o ex-libris do parque (e inspiração para a identidade da North Face).

Half Dome, Yosemite National Park

Este trilho tem a sua primeira porção acessível a cadeiras de rodas e carrinhos de bebés. Chega até à primeira queda de água, muito pitoresca, com árvores, esquilos e outros habitantes. A partir daí, começa a subida íngreme para chegar até Vernal Fall, uma queda de água alimentada por um riacho que se acumula numa piscina natural, uns quantos “andares” acima. O trilho é lindo e oferece, quase todo o tempo, uma vista linda sobre a cascata. À medida que se avança, o ponto de vista vai sendo diferente, até que, quando já não esperamos nada de novo, chegamos ao topo e… tudo é diferente, e lindo. Ver a cascata de cima e a piscina natural que se estende, placidamente, sem desconfiar que daí a poucos metros o seu curso será abruptamente interrompido, oferece uma sensação de recompensa por todo o esforço.

Yosemite National Park

Vernal Fall, Yosemite National Park

Yosemite National Park

No caminho vimos crianças pequenas, crianças de colo, adultos mais ou menos jovens, velhos muito jovens e toda a gente se encorajava e desejava boa sorte, que já faltava pouco e que iria valer a pena. E assim foi, valeu bem a pena.

Yosemite National Park

O regresso foi feito com os músculos já a começar a doer, mas felizes por termos a vista e a alma lavadas pela altura, pela sensação de missão cumprida, pelas vistas maravilhosas.

Quando chegámos à vila, procurámos almoço e ainda demos alguns passeios.

Yosemite National Park

Yosemite National Park

Yosemite National Park

Em todo o lado há instruções sobre como lidar com ursos, caso exista um encontro do terceiro grau. Não sendo especialmente agressivos, os ursos cheiram a comida e querem partilhar a merenda com os humanos, o que é mau em mais que um aspecto. Por um lado, há a tal possibilidade de um encontro um pouco mais próximo (e sangrento); por outro, a fome saciada pela comida humana provoca-lhes distúrbios gastro-alimentares (por que será?), rompe a cadeia alimentar e perturba o equilíbrio ecológico.

Enfim, vimos anúncios por todas as partes mas ursos, nada. Nas estradas, os sinais de trânsito mandavam os carros reduzir a velocidade, porque, lá está, a velocidade mata… ursos.

Íamos nós estrada fora, de regresso ao hotel, quando ao virar de uma curva vemos uma coisa castanha, a mexer-se, lá à frente, no meio da estrada. O meu fantástico condutor privado reduziu imediatamente a velocidade e ficámos a ver o que seria. Foram instantes que pareceram minutos, horas, até que entendi que era um urso. Um urso, um urso, é um urso!, e nada de acordar para a vida e tirar-lhe uma fotografia! Quando consegui, foi este o resultado:

I saw you!
(Eis o alçado posterior de um urso juvenil de Yosemite Park.)

Foi numa excitação total que continuámos o caminho e voltámos ao hotel. Um urso! Ao vivo! Sem ser em desenhos animados! E sem perigo! Já entendem porque é que Yosemite nos ficou guardado no coração… e porque é que este urso fugidio foi assunto tão discutido na zine de Novembro.

Mariposa Grove, Yosemite National Park

Mariposa Grove, Yosemite National Park

Mariposa Grove, Yosemite National Park

No dia seguinte, o passeio começou em Mariposa Grove, um bosque de sequóias gigantes muito próximo da entrada sul do parque, onde estávamos localizados. Tivemos a bênção de ser agraciados com dois dias de tempo maravilhoso, e a verdade é que as cascas vermelhas destas árvores gigantes ficam mesmo, mesmo ouro sobre azul, quase literalmente.

Cada árvore é um espanto pela escala, pela idade, pela textura, pela fragilidade das raízes, pela incerteza do seu ciclo reprodutor. Para que possam nascer pequenas sequóias bebés, é necessário que haja um incêndio que queime as espécies menos resistentes ao fogo e se abram clareiras. O calor e a secura do fogo abrem as pequenas pinhas, que aí conseguem fazer espalhar a semente no chão. Depois, a sequóia bebé ainda precisa que a luz lhe chegue onde ela está, que é ao nível do chão. E isso é quase impossível quando há mais verdura por perto. Por todas estas razões, e porque as sequóias gigantes deste bosque têm mais de mil anos (algumas três mil), este é um sítio lindo, especial, mágico, onde passámos praticamente todo o dia a fazer todos os trilhos existentes. Cruzámo-nos com humanos e com bichos, nomeadamente este grupo de veados, que almoçava tranquilamente, sem se preocupar com os disparos das câmaras:

Mariposa Grove, Yosemite National Park

Ao fim do dia, e com uma barrigada de imensidão arbórea, fomos ainda visitar Glacier Point, de onde se tem uma vista maravilhosa sobre todo o vale.

Yosemite National Park

Glacier Point, Yosemite National Park

E assim terminaram estes maravilhosos dias de férias, com uma nova cidade favorita nos Estados Unidos (São Francisco) e com uma paixão pela Califórnia.

Join our community, start beautifying your life!

3 comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge