Month: October 2012

“We’re in Panama!”, issue 29

"We're in Panama!", issue 29

October’s issue of “We’re in Panama!” is here!

This issue is about one weekend we spent on a boat, cruising the archipelago of San Blás, Kuna Yala, Panamá. Renting a boat (with crew) is, in my opinion, the best way to visit the area, because it allows visits to many different islands. And there’s nothing like sleeping on a boat.

I share some of the behind the scenes stories on my monthly newsletter. Want to subscribe?

Note: If you are interested in crossing from Cartagena (Colombia) to Panamá, this is one of the boats that accepts passengers, as road access between the two countries is non-existent.

bla bla

bla bla bla

Embroidering

pillows-toys

These last few days I’ve been embroidering a lot. I find immense pleasure in it, the detail of those small stitches, the possibility of being terribly perfectionist (which I am) and that not being a problem. The beauty of not having to be a perfectionist and the result still being visually pleasant.

Done! A third one is already flying south. It will be a surprise! #babyblanket #embroidery #abbrigate

Done! #babyblanket #embroidery #heart #abbrigate

The photos above show two of the three blankets I made these last few days for abbrigate*. Each of them is a labor of love, dedicated to the sweet beginnings in people’s lives.

Unrelated, or maybe not: there is an upcoming trip to Orlando and San Francisco. Any tips? Fabric, yarn and art supplies stores you recommend?

Pelas ruas do centro

Santa Ana, #pty

Santa Ana, #pty

Calidonia, #pty

Calidonia, #pty

In the taxi. #pty

Na sexta-feira passada fui ao centro comprar tecidos. Não foi uma viagem sem incidentes, já que o que queria comprar parece ser oro en polvo, expressão nicaraguense que me ensinaram e que designa aquilo que é um verdadeiro tesouro. Pois é, caros leitores, eu queria comprar… fibra polar. Sim senhores, fibra polar para as mantas de inverno do abbrigate*. Eu não sabia, porque foi precisamente no Panamá que comprei fibra polar da última vez, mas aqui, o polar é mais raro que os dias de céu azul e encontrá-lo foi uma verdadeira odisseia.

Em 8 das 10 lojas que visitei, tentaram convencer-me de que o que eu queria mesmo era feltro, e de que era exactamente a mesma coisa. Dei-lhes a tocar a amostra que tinha, e nem mesmo assim as vendedoras se convenciam do que lhes dizia.

Numa das lojas que visitei, farta já de ter vendedoras que nada percebem, nada sabem, e ainda por cima dão informações erradas, pus-me à procura e encontrei um rolo inteirinho de polar, em tamanho suficiente para cobertores de cama. Fui chamar a vendedora, que me disse que era feltro. (Não era. Era polar.) Que sim, que era, e que comprasse de outro rolo que ali estava em exposição. E eu que não, que não era a mesma coisa, ora que tocasse e comparasse (nem isso funcionou).

Depois disse-me que não podia ser, que aquilo era o depósito e que aquele rolo não estava à venda. Relembro aqui que a este ponto já tinha estado em oito lojas diferentes, com respostas a variar entre o no le sabría decir e o não directo. A frustração, a este ponto, já era grande.

Nem vale a pena contar o resto: o que é certo é que eu não comprei o polar, zanguei-me com as vendedoras, que não me atenderam como deviam nem se deram ao trabalho de olhar para mim nos olhos. Não interromperam o que estavam a fazer nem nada. Saí da loja a insultá-las mentalmente, mais à falta de cortesia no serviço. Mandaram-me a outra loja da cadeia sem sequer ligarem para lá a ver se tinham a mercadoria!

Finalmente, na última loja – e não, não era a da outra cadeia – encontrei o último rolo de polar. Esgotei o stock e não foi com surpresa que ouvi que não devia vir mais, mas que também não me sabiam dizer ao certo (nunca ninguém sabe dizer nada ao certo).

As fotografias que vêem acima são detalhes que fui encontrando enquanto procurava o que queria. Adorei descobrir pequenas ilhas de beleza no meio da cidade deteriorada e cada vez me convenço mais de que, em algum momento da história recente, esta cidade deve ter sido bonita.

Etsy shop now open + behind the scenes

BsAs-3

carocha-1

carocha-2

carocha-3

BsAs-1

BsAs-2

Yesterday I opened my new etsy shop. Last week, I marked some of my pieces in my Behance portfolio as “for sale”. And am currently working to open my Spoonflower shop, so I can sell my designs there.

This has been quite the logistical operation here, as you can imagine. A few months ago I came to the realization that I was working a lot by publishing a monthly issue of my zine. I wanted – and still want – to share it for free; but I do need to monetize my efforts in some other way.

I remembered reading other bloggers’ posts debating the same questions and understood that these are growing pains many of us share. We do want to keep creating content that is fresh, new and distributed for free; but we want to see our work rewarded financially. How do we do that?

I have to say that I don’t have clear answers yet, so I turned to a designer, crafter, blogger that I very much admire, Patricia Zapata of A Little Hut. We exchanged some e-mails and with her guidance I found myself reworking – and test embroidering – some of my illustrations into embroidery patterns. As a start, I released two car patterns, but I want to increase this collection very soon.

After a lot of research, I found that most of the embroidery patterns available for purchase have a “cute” angle that I didn’t want to adopt. I wanted something closer to the spontaneity of a sketch, something like an embroidered translation of the visual language you can see in my zine.

I hope you like visiting my etsy shop and purchase a pattern or two. I thank you all for the support and help in spreading the word. Are there any illustrations you would like to see transformed into embroidery patterns?

Fim-de-semana em San Blás

IMG_1150

IMG_1050

IMG_1048

IMG_1045

IMG_1165

IMG_1178

IMG_1201

A primeira vez que fomos a San Blás fazer um cruzeiro foi para celebrar o meu aniversário, em Fevereiro de 2011. Em plena estação seca, o que se espera é céu limpo e sol glorioso e inclemente, dependendo da hora. Outubro, em contrapartida, é o mês mais chuvoso de toda a estação húmida, o que nos deixou ligeiramente inquietos. Sete passageiros, dois tripulantes e chuva? O barco ficaria pequeno para todos…

A partida da cidade, na sexta-feira, não augurava nada de bom: a chuva torrencial com nuvens muito baixas fizeram-nos temer o pior. Em contra-relógio ultrapassámos o trânsito das portagens, o êxodo de fim de dia e lá fomos nós, estrada fora, até à viragem para a reserva Kuna. Daí até Cartí, porto onde deixámos o carro e apanhámos uma lancha, foram 40km de estrada cheia de curvas, sinuosas subidas e descidas e pedaços de pavimento desabado ribanceira abaixo.

Conseguimos passar a fronteira ainda moderadamente a horas e, no porto, o nosso duo lá nos esperava com a lancha pronta.

Daí foram mais uns trinta, talvez quarenta, talvez cinquenta minutos até ao veleiro que nos esperava. Jantar pronto, foi o momento de conhecermos o barco e sabermos como funcionava a casa de banho, as medidas de poupança de energia e de água potável e confraternizarmos.

Na ilha mais próxima decorria uma festa de anos, mas o nosso grupo de sete ficou em conversa até tarde. Como nos disseram na primeira vez que fizemos um cruzeiro em San Blás, as nove da noite são a meia-noite dos marinheiros. Deitei-me de “madrugada”, portanto. Mas dormi bem, embalada pela ondulação.

Sábado amanheceu maravilhoso, esteve maravilhoso, até ao inevitável aguaceiro da praxe. As vistas foram e são lindas, as raias vieram visitar-nos e o sol – quando apareceu – não deu tréguas.

Domingo foi o dia de regresso – e um fim-de-semana de apenas dois dias pareceu-se mais com umas mini-férias.

E hoje estamos de volta ao trabalho. Para regalar a vista, vejo as fotos.

Weekend

IMG_1048

IMG_1050

IMG_1178

IMG_1162

IMG_1178

We spent the weekend in a boat in the San Blás archipelago, in the Panamanian Atlantic. No chitras, some sunburns. It felt like a mini-vacation.

Now you know what this month’s “We’re in Panama!” will be about.

New prints available

Hi everyone!

September and its thirty-day pattern challenge was a wonderful experience, wasn’t it? I loved receiving all your feedback, here and on facebook.

This is a short post to let you know that I updated my Behance portfolio and some of the images are available for purchase! This is exciting, because you can choose between fine art prints, greeting cards, even e-cards!

I’m still researching options for printing on fabric. Any tips? And, by the way, would you like to see other items for sale?

Aprender por correspondência

Há uns meses atrás tive a sorte e o privilégio de ser escolhida como “cobaia” para um e-curso, chamado Media Moxie, que versava sobre como contactar a imprensa, dado por uma Relações Públicas exclusivamente dedicada a negócios independentes (olá abbrigate*).

Brigitte Lyons, a nossa fantástica professora, explicou-nos como eram as redacções, tanto da imprensa escrita como da rádio e da televisão. Depois levou-nos, passo a passo, até à escrita do pitch, o e-mail que é enviado ao repórter responsável pela secção na qual queremos que o nosso produto figure. Quando chegámos ao fim do curso, escrever esse texto foi, realmente, a coisa mais simples.

Cheguei então à conclusão que o método se aplica a muitas outras coisas, como por exemplo, e dentro da minha actividade profissional, a contactar potenciais clientes. Desde então que leio com atenção a newsletter que envia, e confesso que já senti que estava a escrever exclusivamente para mim e para um problema que estava a ter naquele momento (sim, ela é fantástica; e não, os meus problemas não são originais).

Esta semana, Brigitte Lyons organizou uma conversa telefónica com uma outra figura importante do mundo da motivação e negócios no feminino, de seu nome Tara Sophia Mohr. O tema da conversa era como recuperar a “voz”. Brigitte convidou os assinantes da sua newsletter a assistir, através de conferência telefónica. E eu assisti.

Aqui neste computador éramos duas (olá C!). Ouvimos atentamente e tirámos  notas. No final, apesar do pouco tempo para trocar impressões, notámos que  o bichinho ficou.

Todos sabemos que existe um fosso gigantesco entre o empreendedorismo norte-americano e o seu congénere português: enquanto que no lado americano se acredita genuinamente que cada indivíduo tem um talento especial e único, na cultura empresarial portuguesa isso não acontece.

Muito interessante na conversa foi como Tara Sophia Mohr partilhou o processo para voltar a escrever, depois de um longo hiato de sete anos. Conta ela que acredita terem sido a educação e o peso da academia os responsáveis por essa paralisação; conta também que só quando percebeu que não devia escrever para os outros, mas sim para si própria, que descobriu o seu potencial – e, paradoxalmente, a forma de ajudar os outros. Interessante, não é?

(Editado para adicionar o link para a gravação da conferência.)

Celebrating Side Projects and Entrepreneurship

Polka dots, always. #embroidery

Hi everyone! As you can see, needles are unstoppable here in the studio and there are always new products coming up.

I just wanted to share a link with you: sometime ago, I was asked to contribute with an article to the blog “On the Side Project”. Here, entrepreneurs share the stories of how they started their side projects and how their ideas progressed with time and effort.

In the article I wrote, I told the story of abbrigate*’s inception, as well as how I started the zine I write and publish monthly, called “We’re in Panama!”.

You may read the article here and check out the latest issue of my zine here.

I would love to hear from you: how did you start your own side projects? If you haven´t (yet), do you have a dream you still want to make real?

Quem ajuda?

O projecto-desafio do padrão diário, do qual aqui vos falei, terminou com o mês de Setembro. E agora, caríssimos leitores, preciso da vossa ajuda. Quero escolher um para imprimir em tecido. A votação já está a decorrer no facebook, vamos abri-la aqui também na caixa dos comentários?