Não é não mas depois vai-se ver e talvez

Shopping downtown PTY #panamá

Esta é uma das retrosarias onde me costumo abastecer aqui no Panamá. É aquela em que, um certo dia, me obrigaram a trazer um saco plástico porque o dono não era ecologista. Podem ter agora a dúvida – justificada! – de porque é que continuo a lá ir e a resposta é muito simples: é que não há grande alternativa.

Quando comecei a fazer o quilt (já terminado, nem sei porque é que ainda não o mostrei aqui), notei que o meu x-acto de tecidos, uma jigajoga parecida com um cortador de pizza, era mauzito. Em vez de cortar, vincava, e não havia lâmina que cortasse, depois de experimentar todas.

Pus-me portanto à procura de um novo. Cá, curiosamente, a resposta é que tal coisa não existe. Não é que não têm, mas sim que não existe. Que não há, que não trazem e que não existe, e não há volta a dar. Não é não é não.

Ontem, fui lá de novo e casualmente fotografei a parede exterior da retrosaria, tematicamente decorada. Deve ter sido bem bonita em tempos que já lá vão, mas hoje está descascada, numa rua onde cheira a chichi e o lixo abunda.

O algodão, contudo, não engana: vejam lá que objecto está representado no canto superior direito, acima da fita métrica.

Sou só eu que vejo o tal objecto que não existe porque não há e não se fabrica?

Join our community, start beautifying your life!

10 comments

  1. Anonymous says:

    Se calhar, é só um problema de comunicação. Na próxima, mostras-lhes a fotografia da fachada deles.
    Bjs.
    M

  2. Bau says:

    Bi, deixa estar! Se quiseres, mando-te um aqui da Mauritânia, onde a arte do quilt e da costura faz parte integral da vida local. Vamos testar a eficácia dos correios entre a Mauritânia e o Panamá? 😉

  3. Billy says:

    Pois, deve ser problema de comunicação e muita falta de vontade! 😀

    Bau, tira fotos! Estou tão curiosa, tira fotos, tira!

  4. Anonymous says:

    É que ali antes era uma pizzaria e sobrou aquele bocado pintura na parede…

    Queres que te mande um?
    fungaga

  5. Billy says:

    Obrigada, Fungagá, mas já consegui, com grandes manobras, comprar online e pedir a uma amiga que me trouxesse dos EUA. Loucura! Mas chegou. 🙂

    Beijinhos!

  6. Ahimsa says:

    Em Barcelona, depois de ter explicado, inclusivé dito a palavra em espanhol (cilantro), na mercearia disseram-me (várias pessoas, donos e clientes) que tinha inventado! Não existia tal coisa, isso do coentro era invenção minha. Assim de simples, não conheço, nunca vi, logo a estrangeira sulista (vivia com duas colombianas e tinha apanhado o sotaque) tinha inventado. “No, no, eso no existe…”. A salsa sim, agora a outra erva aromática não existia. Só faltou mesmo (muito pouco) de me chamarem doida varrida.

    Tens a minha total solidariedade!

    Namasté!

  7. Olá Billy!
    Aquilo que está no desenho não é o que tu queres! Aquilo chama-se uma “recortilha” e serve para marcar moldes, isto é, para passar um desenho em papel para o molde em cartão. Fazes o desenho da peça que queres cortar num papel, pões o cartão por baixo e vais percorrendo as linhas com esse instrumento que vai fazendo pontinhos e picando o cartão ou papel que estiver por baixo. Depois é, literalmente, unires os pontos.
    Pelo que percebi, o que precisas é uma lâmina para o cortador rotativo (ou faca de cortar pizzas para tecidos).
    E é bem capaz de não haver no Panamá. Eu própria só há pouco tempo é que comecei a ver esse instrumento nas retrosarias portuguesas. Talvez porque começa a haver muita gente interessada em patchwork 🙂

  8. Billy says:

    Ahimsa, será coisa dos hispanófonos? Não admitir sequer que algo que não conhecem possa existir? 😉

    Luísa, obrigada, já a tenho aqui comigo, depois de muitas peripécias. Realmente não conheço essa ferramenta que mencionas mas, pensando bem, não é assim tão diferente quanto isso; creio até que se pode fazer a mesma coisa com o “rotary cutter”, pondo-lhe apenas uma “lâmina” que não corte (ou que pontilhe).

    No meio de tudo isto, o que mais me irrita não é que não tenham; é que me digam que não existe. Só porque não conhecem, não quer dizer que não exista!

    Beijinhos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge