Balanço anual: leituras

2011 in books: non-fiction

Estes balanços habitualmente são feitos no fim de um ano, não no início do seguinte. Mas como não houve tempo na semana passada, e porque mais vale tarde que nunca, vamos lá.

2011 foi o ano da minha “descoberta” da não-ficção. Até este ano, preferi sempre ler ficção. Porquê, exactamente, não sei dizer. Este ano, ouvi num episódio do Fresh Air, podcast que assino e consumo com muito prazer, a entrevista feita à autora do livro “The Immortal Life of Henrietta Lacks”, Rebecca Skloot. Fiquei muito curiosa, e assim que tive oportunidade comprei-o e li-o. O que mais me surpreendeu foi tê-lo lido com o interesse que em mim desperta um romance apaixonante, sabendo que o que ali se contava eram factos reais da vida das pessoas mencionadas, e aquilo que ia retendo na memória era da mais finamente escrita divulgação científica. Aprendi que as experiências científicas usam linhas celulares e que uma das primeiras a ser produzida e das mais usadas actualmente é a HeLa (de HEnrietta LAcks).

Não posso dizer que gostei, porque, na verdade, amei e recomendo vivamente.

(Um parêntesis para contar que daqui parti para as dúvidas tiradas com a prima cientista – olá C.! – e fiquei a saber que, dentro da Drosophila (mosca da fruta, se não me engano), a linha celular com que trabalha também foi descoberta por acidente. E viva o Maio de 68!)

Ganhei-lhe o gosto e continuei com “What the Dog Saw”, de Malcolm Gladwell. Já tinha lido vários livros deste autor de que muito gostei e vivamente recomendo, como “Blink”, “Outliers” e “Tipping point”, portanto já sabia que deste também haveria de gostar. Contrariamente aos que tinha lido antes, este é uma compilação de textos mais curtos publicados anteriormente na revista “The New Yorker”, onde trabalha. Como costuma acontecer, houve textos que me agradaram mais, outros que me agarraram menos. Mas a verdade é que este jornalista consegue fazer da menstruação um tópico interessante, e só por isso já vale a pena ler.

Tal como o primeiro livro que mencionei, o interesse por “Born to Run”, de Christopher McDougall, foi despertado por uma entrevista ao autor (talvez também no Fresh Air, mas agora não recordo com exactidão). O bichinho da curiosidade foi inoculado com a ideia extremamente subversiva de que as lesões dos corredores, maioritariamente nas articulações dos pés, joelhos e coluna vertebral, se devem ao impacto provocado por correr… calçados. A hipótese que o autor propõe é que precisamente por terem tanta protecção no calcanhar, os sapatos actuais induzem o corredor em erro motor, que acaba por assentar primeiro o calcanhar. Segundo o autor, correndo descalço (ou com sapatos de sola fina), automaticamente se corrige o passo para pisar primeiro com a “almofada” do pé (como outros animais que correm, como os cavalos ou as zebras), fazendo com que a articulação do tornozelo funcione como mola e absorva o choque. Subversivo? Sem dúvida!

Daqui, o jornalista parte para a investigação e descobre uma tribo mexicana conhecida por correr como forma de vida… e deixo o resto por contar. É um texto documental, é uma aventura, é também uma imensa fonte de informação. Posso-vos dizer que, desde que li este livro, sonho muitas, muitas vezes que estou a correr e não me canso nunca.

Também li “Happiness Project”, de Gretchen Rubin. Tal como o nome indica, a autora dedicou-se, durante um ano, ao projecto de ser mais feliz. Explica a sua metodologia, dá ideias e sugestões aos leitores e conta-nos os seus progressos durante esse ano.

Este livro interessou-me mais pelas ferramentas que sugere que pela leitura em si; não obstante, vale a pena ler, quanto mais não seja para ver como outros tentam viver melhor e também para ousar colocar-me novos objectivos desafiantes e cumpri-los.

Os três livros seguintes pertencem ao género de literatura de viagem. Publicados pela Tinta da China, a colecção é coordenada por Carlos Vaz Marques (que também conduz as deliciosas entrevistas da série “Pessoal e Transmissível” e o hilariante debate semanal do “Governo Sombra”) e os livros entram na categoria livro-objecto: boa encadernação, design cuidado, papel espesso, tipografia pensada e até um marcador de página em tecido. Quem quer livros electrónicos quando pode sentir o prazer de ler um livro assim?

O primeiro título que li, recomendado pela Prainha, foi “Disse-me um adivinho”, de Tiziano Terzani. A história começa com a premonição de um adivinho, que lhe diz que em determinado ano não deve andar de avião. A viver na Ásia, Terzani decide levar a informação a peito e transformá-la num projecto de trabalho. Daí nascem os relatos deste livro, de muitas viagens por esta nossa Terra.

Já em Outubro, talvez Novembro, li “Caderno Afegão”, de Alexandra Lucas Coelho. Ao início, confesso, a escrita parecia-me um pouco entrecortada, dando assim um ritmo que mais tarde percebi que seria o ritmo afegão da viagem cheia de sobressaltos (literais e figurados). Com estradas esburacadas e cheias de obstáculos, entendi mais tarde que o ritmo era, naturalmente, esse. Ao início, estranhei. Depois, também se entranhou, qual pó que vemos sempre no ar das imagens que desse país tenho.

Através das palavras da jornalista, viajei por terra e por avião, conheci militares portugueses lá, comi melhor e pior e ouvi muitos tiros.

(Novo parêntesis: coincidentemente, tinha lido pouco tempo antes “Kite Runner”, de Khaled Hosseini, cuja primeira parte se passa nos tempos áureos da Cabul dos anos 60 e 70; na última parte, várias décadas mais tarde, o narrador volta ao seu país e descreve uma cidade parecida com a descrita em “Caderno Afegão”. Parecia-me, ao ler este livro, que já lá tinha estado e que lia sobre uma cidade que, de facto, tinha visitado, como quem lê sobre um lugar onde já foi feliz. Curioso!)

No final, gostei tanto, mas tanto do livro que não hesitei e atirei-me logo para o segundo, da mesma autora, desta vez intitulado “Viva México”.

Há que dizer que a América Latina é um conjunto de muitas Américas Latinas, e que entre a Argentina e o Panamá há uma enorme distância (física e metafórica) e que o México e o Panamá, apesar de relativamente próximos, estão a anos-luz de distância. Não obstante, há coisas em comum, talvez por aqui se consumirem telenovelas mexicanas ou por haver muitos mexicanos. Por isso, desta vez a minha “viagem” foi um misto de descoberta e de identificação: ao mesmo tempo que sentia que eram as minhas pernas – não as da autora – a percorrerem aquelas ruas, também sentia que uma amiga me contava, em segredo, a sua viagem por uma terra mágica, estranha, hostil, bela, cruel e colorida, as suas sensações ao deparar-se com o indescritível ou até ao sentir o sabor da tortilha.

Para viajar sem sair de casa, estes três títulos são o melhor que li em muito tempo.

Finalmente, o último livro (terminado já em 2012): “Necessary Losses” de Judith Viorst. A autora explora, do ponto de vista da experiência psicanalítica, as perdas e os lutos que todo o ser humano tem de fazer ao longo da vida para poder crescer. A escrita, apesar de ligeira, é excelente e muitíssimo informativa, com recurso a referências a outros investigadores e também ao relato de exemplos retirados da sua experiência profissional.

Que ninguém se assuste com a catalogação de “auto-ajuda”, porque este livro é de “auto-conhecimento”. Durante a leitura houve, em diversos momentos, o famoso “a-ha!” do reconhecimento daquilo que a autora contava como tendo sido uma experiência minha.

As minhas secções favoritas foram aquelas que se relacionam com a minha vida actual: amigos, família, a nova família formada por mim, a mudança da auto-imagem, a separação, a doença e a morte. Este é daqueles livros que vou recomendar a toda, mas toda a gente. Ou então talvez tenha de refrear um pouco o entusiasmo…

O ano de 2011 também teve muita leitura de ficção, de que talvez venha aqui a falar no futuro, mas o importante, o que me mudou como leitora e como pessoa foram os livros que aqui vos mostrei.

Que venha 2012!

Join our community, start beautifying your life!

6 comments

  1. Anonymous says:

    Obrigada pela partilha! Com este entusiasmo todo, mesmo os não apreciadores de não ficção se sentem tentados…
    Fico à espera do tal site!
    Bjs.
    M

  2. Karen says:

    Quantas leituras interessantes! Também ando em fase de não ficção. Isso faz bem!

    Falando sobre correr, outro dia vi um documentário sobre a Etiópia, não tenho certeza sobre o pais, mas era um desses lugares onde surgem grandes corredores. As crianças começam cedo e algumas correm até descalças. Há o problema das condições financeiras, mas parece que isso não é um empecilho para a prática da corrida.

  3. Rita says:

    Que boas sugestões!Obrigada!
    Alguns desses já tenho aqui em casa e estou na fila para os ler 🙂
    Bom 2012 para ti, vocês, com tudo de bom, muita paz e muito boas leituras!
    Beijinhos

  4. Billy says:

    M, já te mandei o site. Avisa-me se abrires lá conta, assim também abro.

    Andre, hmm… no sé. De esta lista yo lo dejaría para el final. No es que no sea una lectura práctica, pero si buscas el placer de la lectura, entonces no. Feliz 2012, lleno de buenos libros (y salud, che!).

    Karen, que andas a ler de não ficção? No teu blog tenho visto mais ficção e estou curiosa. Queres partilhar? Quanto à corrida, parece que quanto mais dificuldades um país tem, melhores corredores de fundo produz. Curioso, não é? Até Portugal – que não é a Etiópia, claro – produziu nas últimas décadas vários fundistas medalhados. Com a crise que se sente, não me espanta que dentro de uns anos tenhamos mais uns quantos maratonistas no pódio!!!

    Obrigada, Rita, igualmente! Depois conta o que achaste das leituras.

    Beijinhos a todas.

  5. Karen says:

    Billy, tenho lido livros de história brasileira e mundial, mas até agora, nada asssim tão emocionante. E também manuais da série “for dummies”. rs

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge