Má vizinhança

Fireworks seen from above

Há dias em que a má vizinhança não tem ar esquisito nem andrajoso. Há dias em que a má vizinhança é assim: exuberante, bonita até, mas totalmente inconveniente.

Esta foto de fogo de artifício (visto de cima!) foi tirada às onze da noite. Até aqui tudo bem. O problema é que houve nova saraivada de luz, cor e muito som à uma e meia da manhã. Já dá para ver o problema…

O Club Unión – ou o sócio que usou as suas instalações na noite de 25 para 26 de Março – é o responsável pela noite mais mal dormida de todos os prédios que circundam as suas instalações. A festa foi rija até às seis da manhã, com música tão alta que parecia que tínhamos a aparelhagem ligada, no quarto, aos berros.

Eu dormitava e ia acordando e a minha irritação escalava e escalava: a canção “I got a feeling” passou umas três ou quatro vezes durante a noite. Será que o DJ não tinha mais canções para ir variando? E então quando ele perguntava ao seu público em êxtase: “nos vamos a dormir?”. Imediatamente gritava a resposta: “Noooooooooo!”

Nem ele, nem os convivas, nem ninguém dormiu naquela noite.

Na noite seguinte, liguei para o Club Unión quando ouvi os primeiros acordes da música de nova festa. Fiquei a saber que:

– a segurança nada pode fazer para controlar o nível de ruído produzido pelos festivaleiros de serviço. Pode recomendar ao sócio que baixe o volume da música, mas este tem poder de veto nessa decisão.

– não vale a pena chamar a polícia, já que o Club Unión dispõe de todas as autorizações camarárias para rebentar fogos de artifício (à uma da manhã, aparentemente, também).

– não vale a pena invocar regulamentos anti-ruído ou até o bom e velho sentido comum: quem manda é o sócio.

E sabem uma coisa? Para se ser sócio do Club Unión paga-se uma jóia de dezenas de milhares de dólares, mais uma quota que não está a preço de saldo e ainda se compra uma acção. Como é a prestações, desconfio que não deve ser barata.

Ficamos a saber que o dinheiro compra um diploma, arrogância e prepotência; mas não compra educação.

Em jeito de p.s., conto que as festas do fim-de-semana passado já tiveram o volume mais baixo, apesar de durarem até de madrugada. Recorri ao velho truque do tampão no ouvido, que, apesar de incómodo, me garante mais descanso e um dia seguinte mais agradável que não o usando.


Eu seja santa.

Join our community, start beautifying your life!

5 comments

  1. Anonymous says:

    Já tive duas dessas experiências alucinantes, em parques de campismo, onde supostamente estaríamos a apreciar o silêncio da natureza. Em ambos os casos, eram festas mesmo ao pé e não dentro do parque. E não houve nada a fazer. Frustrante, não é?
    fungaga

  2. Billy says:

    Ui, Karen, costumas ter este problema?

    Sim, Fungagá, é muito frustrante! Como é que resolveram a coisa? E a lei anti-ruído não vos serviu de nada?

  3. Anonymous says:

    Não, Billy, não houve mesmo nada a fazer. Num dos casos, era uma especie de DJ, podre de bêbado, que insistiu em continuar a por música (e a falar por cima) até altas horas e, pelos vistos, ninguém o impediu. Noutro, era o concerto de 15 de Agosto das festas locais (só que não era música pimba nem acordeão, eram covers superamplificados de rock). E quem é que vai parar as festas anuais da aldeia? Dessa vez, já tinha os miúdos e ainda por cima a R. estava doente, fiquei mesmo danada. O pessoal lá do parque fartou-se de pedir desculpa, mesmo sem a culpa ser deles.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge