Month: February 2009

Ontem tive aula de pintura. Durante o Verão, as aulas têm um formato diferente das do ano lectivo normal. Por um lado, os colegas são outros, maioritariamente pessoas que querem começar a pintar e que aproveitam os cursos de curta duração dos meses de Janeiro e de Fevereiro. Por outro, ao contrário do que acontece entre Março e Novembro, não há modelo.

Ao princípio, a ausência de modelo deixou-me um pouco aflita, pensando assustada que iria pintar, no meio de tantas possibilidades. Aos poucos (ontem foi a terceira aula de quatro), o pânico desapareceu e aproveitei para pintar o que não costumo fazer durante o ano, ou seja, experimentar coisas novas e tentar exprimir-me de maneiras diferentes. Até ao momento, estou a divertir-me – aliás, pasarla bien, para usar a terminologia local carregada de rigor científico, sempre foi o que tentei fazer. Tem-me servido muito, esta atitude: quando não me importo demasiado com o resultado, este costuma ser melhor do que quando me preocupo com o que estou a fazer.

O exercício de ontem foi o de fazer uma composição com contrastes feitos com misturas das cores primárias e branco. Essas misturas teriam de ser feitas na paleta e aplicadas lisas no suporte. Ora toda a gente sabe (hmm, se calhar não é toda a gente, mas eu sei muito bem!) que sou um bocado preguiçosa na hora de estar a remexer as tintas até as misturas ficarem bem homogéneas, portanto aquilo que deveria ser uma cor lisa é uma cor “cheia de matizes de outras”, o que – apesar de fugir do exerício proposto – me enche de alegria visual (será que isso existe?)

Este foi o resultado, que me deixou muito satisfeita.

Para ver mais pinturas, aqui.

Painting

Painting classes in the summer are a bit different than the regular ones throughout the year. Not only the students are different – mostly people who want to start painting but haven´t had training – but also there´s no model, the basic anchor to all the work developed during the other months.

It doesn´t mean that they are uninteresting, not at all. We´ve been making different exercises that probably have no opportunity to arise during the rest of the year, and it actually feels good to go back to the basics and learn from the experience.

Yesterday the challenge was to make a composition with the contrasts made by primary colours, mixed on the palette.

Can you tell that I had fun putting this together? I´m happy with the result, I wonder how I can further use it… any suggestions?

More pictures of my paintings.

*

As aulas de pintura durante o Verão têm um formato diferente das que decorrem durante o ano. Por um lado, os colegas são outros, maioritariamente pessoas que querem começar a pintar e que aproveitam os cursos de curta duração dos meses de Janeiro e de Fevereiro. Por outro, ao contrário do que acontece entre Março e Novembro, não há modelo, facto este que me fez sentir um pouco perdida no início, já que sentia que me faltava a âncora (realmente, o homem é um animal de hábitos!).

O exercício de ontem foi o de fazer uma composição com contrastes feitos com misturas das cores primárias e branco. Essas misturas teriam de ser feitas na paleta e aplicadas lisas no suporte.

Este foi o resultado, que me deixou muito satisfeita. Estou a pensar que aplicações posso dar a esta pintura… sugestões?

Para ver mais pinturas, aqui.

A minha camisolinha dos mochos

Ai, vida, até que ponto é que uma pessoa pode gostar de uma camisola que está a tricotar? Hmmm? Pois é. Eu estou apaixonada por esta.

Vêem as agulhas lindas? Presente de aniversário de um Príncipe!

Colonia de Sacramento, agora e sempre

la dulzura puede cambiar el mundo
É com alguma surpresa que reparo que há já uma semana que nada escrevo aqui no “Entre…”. E não é que não se tenha passado nada por estas bandas – pelo contrário, está sempre a acontecer qualquer coisa, mesmo que de importância mínima para o resto do mundo (e todos nós sabemos que a relevância do que aqui se publica é bem diminuta).

Na semana passada fui até Colonia de Sacramento, cidade uruguaia fundada por portugueses, cujo centro histórico guarda muito encanto sobretudo para quem vive no bulício de Buenos Aires. Entre uma e outra existem 60km de Río de la Plata, o que marca toda uma miríade de diferenças. O que deste lado tem de agitado, tem Colonia de descanso e de tranquilidade.

Contudo, esta visita foi especial: enquanto passeávamos com um passo ajustado ao ritmo que lá se vive, a mãe do Paulinho encontrou um aviso para um café que prometia ser o “best well kept secret” de Colonia. E não mentiram.

Tea at Lentas Maravillas, in Colonia de Sacramento, Uruguay

Neste sítio, onde a lotação de um jardim imenso é de apenas quatro mesas, onde o serviço é simpático, sorridente e muito tranquilo, onde tricotei quase uma manga inteira da camisola que estou a fazer, o chá é chá e a bolacha com pepitas de chocolate é feita com chocolate verdadeiro. Verdadeiramente Lentas Maravillas.

Pure inspiration | Inspiração

“Buenos Aires
Art Déco y Racionalismo”

de Mimi Böhm, Fabio Grementieri (texts | textos), Xavier Verstraeten (photography | fotografia)

This is a book I received as a gift on my birthday and proved not only to be a seemingly endless source of inspiration but also a tool to reinforce my (already strong) love for Buenos Aires.

While I was studying I did this research project on modernism both in Portugal and its influences in Macau, where I lived during my teenage years. This project was one of the milestones on my training as a graphic designer, basically because of the methodology used on this kind of architecture (a rational one, as this book´s title says) and the visual translation it has in its shape.

This book documents this period here in Buenos Aires and shows images of varied buildings, of pottery, ads, clothes and many, many other things.

And it feels great to recognize those buildings and actually strengthening this belonging-kind-of-relationship that I now have to my host city.

*

Recebi este livro como presente de aniversário e, desde que o abri pela primeira vez, não o consegui largar durante muito tempo.

A minha paixão pelo modernismo já vem dos tempos da faculdade, onde fiz um trabalho sobre o tema em Portugal e a sua influência no ultramar, especificamente na ex-colónia de Macau, cidade onde vivi. Com este trabalho, fiquei a conhecer melhor a metodologia projectual do modernismo e essa foi uma influência marcante na minha forma de trabalhar e de encarar os meus próprios projectos.

Este livro vem agora mostrar-me inúmeros exemplos desta cidade que agora me acolhe, Buenos Aires. Esta sensação de ir reforçando a minha relação com as esquinas, os pormenores e os pormaiores desta cidade é boa e faz-me sentir em casa. Além disso, este livro é uma constante fonte de inspiração (e de informação), pois também mostra exemplos de outras áreas da produção artística: temos cartazes publicitários, entradas de prédios, peças de louça e muitas outras coisas. Que maravilha!

00_capa

Just posted some new work on my website. You can see a new brochure here and two gift certificates here and here.

P.S. I´ve been having a bit of trouble with my website´s stats counter, it doesn´t seem to be working properly. Could you drop me a line when you visit the website? Thanks for your help!

*

Actualizei recentemente o portefólio online com alguns trabalhos: uma brochura que pode ser vista aqui e dois vales, aqui e aqui.

P.S. Tenho tido dificuldades com o código dos contadores de visitas do meu site e gostaria de pedir que me avisassem quando o visitarem. Obrigada!

How cool can knitting be?

For those who believe that knitting is for grandmas only, here´s a cool knitted light object. (found via Camilla Engman)

*

Interessante para todos, mas muito especialmente para os que acham que o tricot é coisa de avozinhas, um objecto tricotado muito interessante. (encontrado através do blog de Camilla Engman)

Painting, again | A pintar, outra vez

I must admit: I don´t paint at home. I don´t have enough “room”, meaning both physical space and mental space. I think I ought to paint at home, but I just don´t. There´s all the work to be done, the to do list to be tackled, all other projects on hold and painting… well, that´s for those two hours a week, in a specific space, with a specific group of people who go there to do the same. I like it that way.

*

Gosto de pintar, mas em casa não tenho espaço. Nem tempo. Nem disponibilidade mental, sobretudo não tenho disponibilidade mental. E se calhar até é melhor assim: a pintura fica naquelas duas horas, naquele espaço específico, com aquele grupo de pessoas que estão lá a fazer o mesmo. E é bom assim.

2009.02.10These were painted yesterday…

2009.02.03_02This was the week before. I´m glad to be back.

Ontem

(Obrigada por todas as mensagens fofas!)

Aqueduto de Lisboa

Nota: lembrei-me agora que ainda não consegui decorar a palavra “aqueduto” em castelhano. Aaaargh! A idade não perdoa…

Mesmo antes de regressar à Argentina tive a belíssima oportunidade de visitar o Aqueduto das Águas Livres, em Lisboa, graças à iniciativa da minha amiga Noor. Para quem não sabe, a Noor, para além de talentosa pintora em batik, também é uma belíssima guia, contando as histórias da história entremeadas com as histórias do dia-a-dia. Na visita, explicou-nos coisas tão complexas como as inúmeras datas da construção do aqueduto como também nos falou dos rituais da utilização da água naquele tempo. Ficámos a saber, por exemplo, quem se lavava primeiro na hierarquia doméstica. E, há que dizê-lo, contou-nos isto sempre com muita graça.

Mas da visita ao Aqueduto ficou-me mais do que os episódios curiosos da sua história: foi também um passeio que funcionou como despedida de Lisboa e dos amigos que me acompanharam na travessia do vale de Alcântara, numa manhã em que São Pedro nos deu um bocadinho de tréguas.

A minha cidade é linda, não é? Mesmo com chuva…

Acrescento aqui outra nota: a partir de Março, penso eu, o Aqueduto volta a abrir as portas ao público. Na Epal devem saber informar.

Yesterday | Ontem

It´s great to be a birthday girl in the summer.

*

No ano passado, o meu primeiro aniversário no Verão, choveu. Este ano tive mais sorte e pude fazer o tão desejado piquenique. Estou feliz!

Lisbon love

Being back to Buenos Aires I´m now able to go through the photos taken while away at home, in Lisbon. I know it sounds funny to say “away at home”, but I guess that Lisbon will always be my home, even if I live elsewhere. So pardon me and my love for my city, specially if I mention it a bit too much in the next few days.

This is a view of the aqueduct of Lisbon. This part of it is about 1km long, but it is stretches for more than 50km, from the outskirts of the city into downtown. It isn´t in use right now and it will be open to the public as of March 2009, as far as I know.

Even in rainy days, Lisbon is a beautiful city, isn´t it?

*

Em português, aqui.