Colômbia parte II: em Cartagena

Cartagena é uma cidade com um centro histórico muralhado e, diga-se de passagem, muito bem conservado. A traça é espanhola, claro, com ruas mais ou menos ortogonais, muitas praças e casas com entre um e três pisos, as mais baixas para os estratos sociais mais baixos, subindo em altura à medida que o seu proprietário sobe na pirâmide social. Isto, claro, na época colonial, dado que agora todo o centro é a área de maior excelência com o metro quadrado mais caro da Colômbia, se não estou em erro. É lá que está a casa de veraneio do Gabriel Garcia Márquez, por exemplo.

A cidade colonial é linda. Muito bem conservada e pintada com cores vivas, nas varandas de madeira vêem-se plantas trepadeiras e muitas flores. Nas ruas, as pessoas sentam-se e tentam combater o calor com o ocasional leque, ou então apenas prostradas à sombra de uma árvore, à espera da brisa. O calor, pelo menos em Junho, é perto do infernal, a humidade não lhe fica atrás e dá o golpe de misericórdia no banho fresco acabado de tomar. A mosquitagem não ajuda, é certo, mas há sempre um suminho natural delicioso para beber.

(Um pequenino à parte: bebi uma limonada com leite de coco que ainda hoje me deixa de água na boca…)

Fora das muralhas há algumas ruas coloniais, o castelo de São Felipe de Barajas e, em cima da única colina, um convento (achava que era de Santa Clara mas diz o Paulo que é de Santo Agostinho).

As zonas novas têm encantos naturais parecidos com o Rio de Janeiro (numa escala mais pequena), com o recorte da costa a fazer praias em plena cidade, e os desencantos da paisagem humanizada não planeada. Apesar disso, por não ser muito grande, é uma cidade que mantém o seu encanto praticamente intacto e um passeio no seu centro histórico numa carruagem puxada por cavalos é um momento absolutamente inesquecível.

Join our community, start beautifying your life!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge