Esta discussao toda…

Na revista Sábado desta semana (a que tem o Ricardo Araújo Pereira na capa, iupiii!) está um artigo, assinado por Jaime Martins Alberto, que compila alguns dos argumentos a favor e contra da despenalização do aborto. Divide-os em argumentos políticos, médicos e éticos e parece-me que o seu trabalho se limita a isso: a uma compilação dos argumentos, sem triagem quanto à sua pertinência.

Há argumentos de ambos os lados que são perfeitamente coerentes e nos colocam perante um dilema de consciência. Há outros que roçam o idiota, como é o caso deste a favor do “não”:

“Se o aborto for legalizado, aumentará o número de casos de IVG. O que significa um aumento indeterminável de custos financeiros para o Estado.”

Quem é que explica às pessoas que dizem isto que um bebé em Portugal tem mais de 70 anos de esperança média de vida
à nascença e que, durante as primeiras décadas, o Estado lhe assegura acesso à educação pública, universal e gratuita e que, durante toda a vida, tem acesso livre a cuidados de saúde? O que será mais caro? A intervenção que provoca a interrupção da gravidez ou o acompanhamento do indivíduo durante toda a sua vida?

Neste momento, o que está vigente é aquilo que as pessoas que apoiam o “não” pretendem. E sabemos que o problema de saúde pública do aborto clandestino se mantém e se tem mantido, mesmo após o debate gerado pelo anterior referendo. Sabemos já que a situação actual não é a melhor; talvez seja a altura de mudar, ou não?

Além disso, quem é a favor da despenalização não vai a correr fazer imensos abortos como forma contraceptiva só porque não é uma prática penalizada (se o sim ganhar e, sobretudo, se houver gente suficiente para validar a consulta). Um aborto é sempre uma intervenção traumatizante para a mulher e é algo que ninguém – no seu perfeito juízo – tem vontade de fazer.

Join our community, start beautifying your life!

2 comments

  1. Jaime Martins Alberto says:

    A triagem quanto à sua pertinência foi feita na selecção de apenas cinco das dezenas de argumentos passiveis de serem incluidos no artigo. Para o argumentário foram consultados diversos especialistas de cada uma das áreas, e de cada um dos lados. A informação foi cruzada e publicada em forma de réplica: mais fácil para a compreensão do leitor. Cumprimentos

  2. Billy says:

    Obrigada pelo esclarecimento.

    O post não pretende contestar a coerência do artigo, nem a sua metodologia; contesta apenas a pertinência de alguns argumentos utilizados pelo grupo favorável ao “não” e de forma alguma a sua presença no artigo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CommentLuv badge